Trio é torturado por grupo e quase morre em matagal, no Lago Azul

Um homem reconhecido pelas vítimas ainda chegou a ser detido em posse de um terçado, mas foi liberado. Cobrança de pensão teria motivado o crime

Manaus – Após serem torturados por mais de uma hora e quase serem executados por um grupo de cerca de 20 pessoas, dois homens e uma mulher decidiram não registrar o Boletim de Ocorrência (B.O) contra os suspeitos. Um homem reconhecido pelas vítimas ainda chegou a ser detido em posse de um terçado, mas foi liberado após ser levado para o 6º Distrito Integrado de Polícia (DIP), de acordo com informações do sargento Frances, da 26ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom).

Trio foi torturado por mais de uma hora por cerca de 20 pessoas. (Foto: Jucélio Paiva/Divulgação)

Dois homens, de 18 e 27 anos, além de uma mulher de 28 anos, foram encontrados por policiais da 26ª Cicom com fios enrolados no pescoço e marcas de tortura pelo corpo, em uma área de matagal na invasão Paraíso Verde, bairro Lago Azul, zona norte, por volta das 14h30 desta quinta-feira (24).

Terçado encontrado com um dos suspeitos. (Foto: Jucélio Paiva/Divulgação)

A vítima de 18 anos foi atingida com três golpes de faca, na altura do pescoço, braço direito e costas, e segue internada no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, na zona centro-sul da capital.

À polícia, as vítimas relataram que o alvo do grupo criminoso era a mulher de 28 anos, que foi até a invasão procurar o marido para cobrar pensão dos quatro filhos. O homem, que não teve o nome divulgado, teria mandado os comparsas torturarem e executarem a mulher, que estava acompanhada de dois amigos que também foram vítimas do grupo criminoso.

Um homem de 21 anos chegou a ser detido na invasão, em posse de um terçado, e mesmo sendo reconhecido pelas vítimas como um dos autores da tortura, foi liberado após o trio não querer registrar B.O sobre o caso.

À reportagem da REDE DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (RDC), uma das vítimas, um homem de 27 anos, mostrou os hematomas causados por pauladas e chutes, enquanto foi torturado pelos suspeitos que conseguiram fugir.