Vídeo mostra homem comprando preservativo antes de estuprar grávida; assista

A Polícia Civil pede apoio da população para identificar o autor do estupro, que vitimou uma gestante de, aproximadamente, 12 semanas. Crime ocorreu no bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus

Manaus – Câmeras do circuito interno de segurança de uma drogaria, no bairro Cidade Nova, zona norte de Manaus, registraram o momento em que um homem, ainda não identificado, compra preservativos, antes de estuprar uma mulher de 34 anos, grávida de aproximadamente 12 semanas. A Polícia Civil do Amazonas pede ajuda para identificar o autor do estupro, que ocorreu na mesma localidade.

Assista:

De acordo com a polícia, o crime ocorreu na madrugada do dia 20 de maio deste ano, por volta das 2h30, em um terreno baldio, na Avenida Noel Nutels. Momentos depois de comprar o preservativo, o homem se aproximou da vítima e tentou convencê-la a manter relações sexuais com ele. No entanto, a mulher não demonstrou interesse.

Segundo informações do delegado do 6° Distrito Integrado de Polícia (DIP), Ricardo Cunha, o criminoso ficou observando a vítima e efetuou uma nova abordagem, quando a autônoma caminhava em frente ao terreno baldio.

“No local, ele a agrediu fisicamente e ela desmaiou. Em seguida, quando a mulher acordou se deparou com o infrator consumando o ato. Após toda essa situação, familiares dela compareceram no 6° DIP e formalizaram a ocorrência. Foi quando iniciamos as investigações em torno do caso. Verificamos que a vítima ficou internada por nove dias em um hospital e acabou perdendo o filho que estava esperando. Dessa forma, representei à Justiça o pedido de prisão temporária para o infrator”, explicou o delegado.

Quem puder colaborar com informações em torno no caso, entrar em contato com a equipe da 6° DIP pelo número de telefone: (92) 99292-1015, o disque-denúncia da unidade policial. Ricardo Cunha ressaltou que delações também podem ser feitas ao número 181, da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). “Asseguramos o sigilo da identidade dos informantes”, garantiu o delegado.