Policiais envolvidos no ‘caso Voyage’ serão submetidos a exame toxicológico

O tenente da Polícia Militar (PM) Joselito Pessoa é suspeito de atirar contra quatro pessoas, sendo três militares e um civil. Um cabo e um sargento foram mortos na ação, no sábado (5)

Manaus – Exames toxicológicos, para atestar o uso de entorpecentes, foram requisitados pelo Departamento de Perícia Técnico-científica no caso em que o tenente da Polícia Militar (PM) Joselito Pessoa é suspeito de atirar contra quatro pessoas, sendo três militares e um civil. Um cabo e um sargento foram mortos na ação, na madrugada do sábado (5), no bairro Colônia Terra Nova, zona norte. O exame foi solicitado para todos os envolvidos.

O tenente entrou armado em uma casa de show (Alambique), segundo o relato do borracheiro Robson Almeida, 24, que sobreviveu aos disparos. De acordo com o depoimento de Almeida à polícia, Pessoa já estava “bastante alterado”, empurrava frequentadores e os próprios amigos e, por isso, o grupo foi repreendido pela segurança do local.

“Por esse motivo, Ludernilson (major da PM) pediu para que Pessoa lhe entregasse a arma, porém, Pessoa se recusou”, disse o borracheiro informando ainda que o grupo não permaneceu 10 minutos no local.

Robson Almeida (na foto com máscara cirúrgica) e todos os envolvidos farão o exame toxicológico. (Foto: Raquel Miranda/RDC)

A polícia questionou Almeida se alguém fez o uso de drogas, o borracheiro declarou somente que Pessoa ia “ao banheiro frequentemente e demorava bastante”.

Em depoimento, o borracheiro contou que encontrou com os policiais na mercearia do cabo Grasiano Negreiros, 36, local onde começaram a beber, por volta das 22h; após o consumo de cerca de dez caixas de cerveja partiram para a casa de festas Alambique, próximo da meia-noite.

Naquela noite, Robson teria ido ao encontro do cabo na mercearia que era de propriedade da vítima, para pagar uma dívida e conseguiu sobreviver ao tomar a arma do tenente, segundo relatou em sua versão a polícia.

Os disparos foram iniciados, segundo Almeida, após a saída da casa de festas dentro do veículo Voyage, prata. “Eu vou matar todos vocês”, gritava o tenente, segundo o Almeida.

Disparos dentro do Voyage

O primeiro a receber o disparo foi o borracheiro, que estava ao lado do tenente Pessoa, no banco de trás do veículo, segundo Almeida informou à polícia.

Pessoa que estava no meio do banco, atingiu em seguida, a cabeça condutor do veículo – o sargento Edizandro Santos Louzada. O major Ludernilson de Paula recebeu um tiro nas costas. O tenente se voltou, em seguida, para o cabo Grasiano e atirou contra a vítima, de acordo com o depoimento do borracheiro. O sargento e o cabo não resistiram aos ferimentos e morreram.

O borracheiro ainda tomou um segundo tiro que atingiu o maxilar, segundo relatou ele à polícia. Após o disparo, Almeida afirmo que tentou tomar a arma do cabo e travou uma luta com o tenente, já fora do carro. Ao imobilizar o tenente, o borracheiro teria dito: “você matou os cara, você matou os cara. Porr…”, sendo respondido pelo tenente, “Desculpe. Porr…!”, conforme consta no depoimento de Almeida.

Após conseguir pegar a arma, Almeida relatou que correu em direção a um bar próximo e foi socorrido por uma viatura da PM que o levou até o hospital.

De acordo com o depoimento do tenente Pessoa, ele estava no veículo com os outros quatro amigos, quando um carro cruzou o Voyage onde estavam, e, por isso, teria se assustado e efetuado os disparos.

O suspeito ainda declarou que o major Ludernilson pediu para que ele comparecesse a 18ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom). De acordo com o relato do tenente Pessoa, o chamado foi feito para resolver “uma bronca”. “A princípio ficou apreensivo, pois não tinha conhecimento de ter feito algo errado”, informou o tenente.

Já na 18º Cicom, pessoalmente com o major Ludernilson de Paula, Pessoa afirmou que a vítima o convidou para beber. À caminho do local do crime, o tenente informou à polícia que “sacou a arma, imaginando que os ocupantes do carro pudesse fazer algum mal”.

O major que recebeu um tiro no ombro esquerdo, assim como o borracheiro passavam bem, segundo informou a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), no sábado (5).

Anúncio