Prefeitura inaugura ‘Aldeia da Memória Indígena’ no Centro de Manaus

Segundo o prefeito de Manaus, David Almeida, o momento é um marco para a cultura local e nacional

Manaus – O Memorial Aldeia da Memória Indígena foi inaugurado na noite desta segunda-feira (19), na praça Dom Pedro ll, no Centro de Manaus. Um mural de 140 metros quadrados foi entregue, com as pinturas do artista muralista Fábio Ortiz. O evento de inauguração celebrou o Dia do Índio.

As pinturas foram retiradas de livros históricos: o mapa das calhas dos rios; o grande Ajuricaba; os Manaós e o cemitério indígena na visão do colonizador.

Segundo o prefeito de Manaus, David Almeida, o momento é um marco para a cultura local e nacional. Almeida também relembrou que no local é um cemitério indígena.

“Nós precisamos conhecer a nossa cidade. Isso aqui é um lugar sagrado. Aqui era um cemitério de indígenas e o que se faz hoje é um resgate histórico das memórias dos donos desse lugar. Se torna um momento histórico”, destacou o prefeito.

O presidente do Concultura, Tenório Telles, explica que a criação fez parte de um coletivo. Para ele, Manaus é uma cidade indígena na sua origem e ancestralidade e todos fazem parte da história de 350 anos.

“Só a história vai dizer o significado desse momento. Porque é uma reparação histórica de 350 anos . Nós somos parte desta memória. Nossos ancestrais que estão enterrados fazem parte da nossa história”, explicou o Telles.

Durante o evento, foram exibidas falas de anciãos, lideranças e grupos musicais indígenas, gravados na praça Dom Pedro ll. As pinturas representam o memorial oficial dos antepassados dos índios tarumãs, passés, baniwas, barés e manaós.