Professores realizam manifestação em frente a FVS-AM, na manhã desta quinta-feira

Professores exigem que as atividades nas escolas públicas da rede estadual de ensino parem imediatamente e alegam que dados da FVS-AM são mentirosos

Manaus – O Sindicato dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas do Ensino Básico de Manaus (Asprom), representante legítimo dos profissionais de educação, realizaram um protesto pacífico, na manhã desta quinta-feira (13), por volta das 8h45, em frente à sede da Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM), localizada na Avenida Torquato Tapajós, 4.010, no bairro Colônia Santo Antônio, zona oeste de Manaus.

(Foto: Renê Silva/GDC)

Os professores exigem que as atividades escolares nas escolas públicas de ensino parem imediatamente. Segundo o professor Lambert Melo, coordenador do Movimento de Luta dos Professores de Manaus (MLPM), o retorno às aulas foi permitida de forma irresponsável por parte da diretora-presidente da FVS, Rosemery Pinto.

“Estamos aqui pra denunciar a presidente da Fundação, porque à população não sabe, mas ela é subordinada ao governado do estado, como se ela fosse uma secretária de estado, ela recebe ordens do governador pra garantir o seu cargo, por isso ela mente para a sociedade”, disse o professor Lambert.

Os professores do manifesto afirmam que os dados divulgados pela Fundação de vigilância em Saúde são mentirosos, que iludem com a informação de que pandemia da Covid-19 esteja de forma controlada na capital. O Asprom Sindical denuncia a ida dos professores e alunos às escolas, por afirmarem que o corpo docente e discente esteja contaminado.

“Agora as contaminações estão acontecendo. São 18 escolas que contabilizamos até a quarta-feira (12), e hoje nós vamos visitar essas escolas pela parte da tarde”, ressaltou o professor Lambert.

Durante o protesto eles pediram que os pais e responsáveis dos alunos da rede pública não mandem os filhos para as escolas da Secretaria de Estado de Educação e Desporto (Seduc).

“Eles vão se contaminar e morrer! Atendam os nossos apelos, por favor!”, pediu a diretora Helma Sampaio.

O 18º Distrito Integrado de Polícia (DIP) estiveram presentes no local para controlar possíveis tumultos. A diretora-presidente da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), não compareceu no local e até o fechamento desta matéria, nenhum represente se pronunciou.

Nota

Por meio de nota, a Seduc informou que não procede a informação que circula em grupos de WhatsApp sobre 15 escolas onde há casos de coronavírus. “A Secretaria de Educação desconhece o teor e a autoria da lista, que não condizem com os dados oficiais do monitoramento realizado pela pasta”, diz o documento.

Até a tarde desta quarta-feira (12), a Seduc tinha a confirmação de testes positivos para a doença entre quatro membros da comunidade escolar, em diferentes unidades de ensino. Segundo a Secretaria de Educação, o monitoramento segue sendo realizado durante esta quinta-feira (13) e qualquer atualização nos dados oficiais será informada pela pasta.

A Seduc ressaltou, ainda, que em todos os casos confirmados registrados tem tomado as devidas providências, previstas nos protocolos de saúde da rede pública estadual de ensino aprovados pela Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM).

***Matéria atualizada às 12h07 para acréscimo da nota***

Anúncio