Protesto contra violência reúne moradores na Cachoeirinha

Região se tornou cenário de vários homicídios, registrados pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), somente no mês de janeiro deste ano

Manaus – Um grupo de moradores realizou um protesto contra a violência e pediu segurança às autoridades, na noite desta terça-feira (4), entre a Rua Marquês da Silveira e a Avenida Parintins, no bairro Cachoeirinha, zona sul de Manaus. O local se tornou cenário de vários homicídios, registrados pela Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), somente no mês de janeiro deste ano.

Entre os casos, está o da adolescente Lívia Leite Pontes, 15, que morreu durante um tiroteio na região, na última quarta-feira (29). Na ocasião, quatro pessoas ficaram feridas. De acordo com informações policiais, bandidos armados saíram de um veículo e atiraram contra as vítimas.

Moradores protestaram contra a violência, nesta terça-feira (4), na Cachoeirinha (Foto: Layena Magalhães/Divulgação)

Em entrevista ao GRUPO DIÁRIO DE COMUNICAÇÃO (GDC), o pai da vítima, Francisco Junior, disse que a filha não tinha envolvimento com nenhum tipo de rime. A adolescente foi assassinada enquanto ensaiava uma dança folclórica. “Eu me sinto destruído, como se tivessem tirado um pedaço de mim. Minha filha morreu inocentemente”, desabafou Francisco. Ainda de acordo com ele, a manifestação foi um ‘pedido de paz’ na comunidade e para que as autoridades ‘façam justiça’ e deem alguma resposta à família.

O tio de Lívia, José Pontes, mostrou indignação com a falta de segurança na cidade. “Até quando filhos inocentes irão morrer para que as autoridades tomem alguma providência? A população não aguenta mais ver jovens e adolescentes morrendo. É uma dor insuportável, para sempre”, lamentou.

Segundo informações policiais, o alvo era somente Thiago Gomes da Silva, de idade não divulgada, que durante o tiroteio também foi atingido, mas morreu dois dias após a ocorrência no Hospital e Pronto-Socorro 28 de Agosto, zona centro-sul da cidade. A Polícia Civil do Amazonas (PC-AM) continua as investigações sobre o caso.

Moradores protestaram contra a violência, nesta terça-feira (4), na Cachoeirinha (Foto: Layena Magalhães/Divulgação)

Anúncio