Quatro toneladas de tambaqui são vendidas na sede da FAS

Consumidores poderão comprar tambaqui dos rios e lagos da RDS Mamirauá direto dos pescadores, a preços que variam de R$ 9 a R$ 16 o quilo

Manaus – As vendas do pirarucu manejado oriundo da Reserva de Desenvolvimento Sustentável (RDS) Mamirauá foram um sucesso nas últimas semanas em Manaus. Cerca de oito toneladas de pirarucu foram vendidas na sede da Fundação Amazonas Sustentável (FAS), na Feira da FAS e na 41ª Feira de Exposição Agropecuária do Amazonas, a Expoagro. Agora, é a vez de outro peixe amazônico criado com métodos de manejo ganhar destaque: o tambaqui.

Todo o tambaqui a ser vendido beneficia famílias da comunidade Terra Nova, no município de Fonte Boa (Foto: Divulgação/FAS)

Quatro toneladas da espécie, também oriunda da RDS Mamirauá, na região do Médio-Solimões, serão vendidas neste final de semana, sexta (11) e sábado (12), das 7h às 16h, na sede da fundação, na Rua Álvaro Braga, 351, Parque Dez, zona centro-sul. Os preços variam de R$ 9 o quilo do tambaqui pesando até 4,9 kg; R$ 11 o quilo do tambaqui pesando até 6,9 kg; R$ 14 o quilo do tambaqui pesando até 10,9 kg; e R$ 16 o quilo do tambaqui pesando acima de 11 quilos.

Todo o tambaqui a ser vendido beneficia famílias da comunidade Terra Nova, no município de Fonte Boa, a 678 quilômetros de Manaus, dentro da RDS Mamirauá. A comercialização, que é coordenada pela Associação de Moradores e Usuários da RDS Mamirauá Antônio Martins (Amurmam), incentiva a cadeia produtiva do manejo e gera renda direta aos pescadores, já que o produto não passa por atravessadores ou distribuidores e o lucro fica com os ribeirinhos.

A venda dos pescados manejados em Manaus acontece por meio de apoio e incentivo da fundação às associações de pescadores que atuam nas Unidades de Conservação (UC) do Amazonas, em cooperação estratégica com a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema). Pelo Programa Floresta em Pé, o antigo Bolsa Floresta, e recursos do Fundo Amazônia/BNDES, ações de geração de renda e empoderamento comunitário são desenvolvidas com os pescadores.

Tanto a venda quanto a pesca dos tambaquis por manejo têm autorização do Ibama e da Secretaria de Meio Ambiente e acontecem no prazo estabelecido pela legislação ambiental. “O objetivo é promover o manejo e o comércio justo, aproximar o comprador dos manejadores e fazer com que os pescadores tenham oportunidade de oferecer seus produtos em Manaus sem a participação de atravessadores”, disse Edvaldo Corrêa, coordenador do Programa Floresta em Pé.

A Fundação Amazonas Sustentável (FAS) é uma organização brasileira sem fins lucrativos e sem vínculos político-partidários que tem por missão fazer a floresta valer mais em pé do que derrubada, promovendo ações de desenvolvimento sustentável e de melhoria de qualidade de vida dos povos que vivem na floresta. Por meio de programas e projetos, a FAS impacta a vida de cerca de 40 mil pessoas em 16 Unidades de Conservação do Estado, em cooperação com a Sema e apoio do Fundo Amazônia/BNDES, Samsung, Bradesco e Coca-Cola Brasil.

Anúncio