Reposição de ipês envenenados na Avenida Djalma Batista será nesta quarta-feira

As novas mudas, cada uma com mais de 2 metros de altura, ocuparão os mesmos pontos do canteiro central da via onde estavam as árvores que foram vítimas do ato de vandalismo

Manaus – Após um período de aproximadamente oito meses de monitoramento, a Prefeitura de Manaus realizará na noite da próxima quarta-feira (15), a partir das 22h, a reposição de cinco mudas de ipês que serão plantadas nos mesmos locais onde árvores da mesma espécie foram envenenadas em abril do ano passado, num ato criminoso contra a arborização urbana de Manaus.

Árvores sofreram um corte no tronco e tiveram um líquido escuro aplicado na área. (Foto: Arlesson Sicsú/Arquivo/Semmas)

As novas mudas, cada uma com mais de 2 metros de altura, ocuparão os mesmos pontos do canteiro central da via onde estavam as árvores que foram vítimas do ato de vandalismo. Um inquérito foi instaurado, mas, até agora, a Delegacia Especializada em Meio Ambiente, da Polícia Civil, não conseguiu localizar os responsáveis pelo crime ambiental.

Segundo o secretário municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade, Antonio Nelson de Oliveira Júnior, o plantio será realizado à noite, a partir das 22h, começando com a remoção das árvores mortas e a preparação do solo, partindo em seguida para o plantio propriamente dito. O horário visa evitar transtornos ao trânsito e contará com a equipe do Departamento de Arborização e Paisagismo da Semmas e agentes do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans). A estimativa é de que se estenda até a madrugada.

“Os desafios enfrentados são muitos para consolidar um projeto de arborização urbana numa cidade do porte de Manaus. Mas com trabalho e planejamento, estamos conseguindo”, afirmou o secretário. As novas mudas serão monitoradas.

Providências

Desde abril do ano passado, quando constatou o atentado contra as árvores, a Prefeitura de Manaus tomou as medidas necessárias para salvar os ipês. As árvores estavam com aproximadamente quatro metros de altura e em processo de desenvolvimento, já com as florações típicas do verão. Três meses depois, em julho, as árvores agredidas deram sinais de recuperação, com o rebrotamento nas extremidades de alguns galhos, o que acendeu a esperança de que pudessem sobreviver.

Os ipês receberam curativos com aplicação de sulfato de cobre nas fendas abertas (por onde foi colocado o veneno). A remoção dos ipês atingidos não foi feita porque há um protocolo a se cumprir na tentativa de salvar as árvores.

O trecho da Djalma onde aconteceu a contaminação fica na altura da Rua Rio Branco, no Vieiralves. A tentativa de envenenamento foi constatada na manhã do dia 29 de abril por técnicos da Semmas. As árvores sofreram um corte no tronco e tiveram um líquido escuro aplicado na área. Além de responder criminalmente, os responsáveis podem ser, se descobertos, enquadrados no artigo 137, do Código Ambiental do Município, que considera infração grave danificar, suprimir ou sacrificar árvores da arborização urbana, com multa agravada pelo dano causado.

Anúncio