Sindicatos a favor de estratégias da Semed

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) organizou um planejamento em cinco fases, que compreendem as etapas que serão realizadas até dezembro de 2020 seguindo protocolos de saúde

Manaus – O planejamento da Prefeitura de Manaus com as estratégias educacionais para o segundo semestre do ano letivo da rede municipal de ensino foi aprovado por membros do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Amazonas (Sinteam), do Sindicato dos Professores e Pedagogos das Escolas Públicas do Ensino Básico de Manaus (Asprom Sindical) e do Ministério Público do Estado do Amazonas (MPE-AM). O encontro ocorreu por meio de videoconferência, na última sexta-feira (28), quando os representantes puderam tirar dúvidas e fazer contribuições aos documentos norteadores.

Diariamente a Prefeitura reforça a importância de cuidados como uso de máscaras (Foto: Ione Moreno/Semcom)

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) organizou um planejamento em cinco fases, que compreendem as etapas que serão realizadas até dezembro de 2020, conforme respaldo e autorização dos órgãos competentes. Ainda não há previsão para o retorno às aulas presenciais nas escolas municipais, o que só deverá ocorrer após liberação das autoridades de saúde sanitária.

A rede municipal de ensino se prepara para a fase de flexibilização, onde as unidades de ensino serão pontos de apoio a alunos e professores na continuidade do ensino remoto, por meio do projeto Aula em Casa.

A secretária municipal de Educação, Kátia Schweickardt, foi quem apresentou o plano e destacou que o intuito do encontro virtual foi apresentar as propostas da secretaria, bem como abrir espaço para que os sindicatos pudessem compartilhar as experiências e dar sugestões às propostas da rede. A titular da pasta lamentou, ainda, a falta de uma coordenação nacional, para apoiar os municípios, diante do enfrentamento à pandemia da Covid- 19, no que tange a educação.

“A pandemia não é um problema local e sim mundial. Os países que retornaram com as aulas no modo semipresencial e que tiveram algum sucesso contaram com o apoio de uma coordenação nacional. No Brasil nós não temos. Tudo o que a gente pensa em fazer na rede municipal é em respeito as nossas realidades e com a vontade de diminuir ou, ao menos, enfrentar a grande desigualdade que a gente vive“, disse Kátia.

Uma das preocupações da rede municipal de ensino e de todos os sistemas educacionais é o efeito pós-pandemia, que pode causar a evasão escolar de estudantes e também de profissionais. Dessa forma a Semed desenvolveu o programa ‘Nem um a Menos’, que arrecada aparelhos eletrônicos e doa a alunos que não conseguem de forma alguma estudar a distância. Além deste programa, a Semed também, terá o ‘Apadrinhamento Pedagógico’, que conta com a participação da sociedade. A ação deve acontecer apenas uma vez na semana em horário e dia combinados.

Anúncio