Sobe para 32 os casos confirmados do coronavírus no Amazonas

Os dados foram atualizados pela Fundação de Vigilância em Saúde (FVS) na tarde desta segunda-feira (23). Dos casos, 31 se concentram em Manaus e um em Parintins

Manaus – O Amazonas já registra 32 casos confirmados do novo coronavírus (Covid-19). Os dados foram atualizados pela Fundação em Vigilância de Saúde do Amazonas (FVS-AM), durante coletiva online, na tarde desta segunda-feira (23). Destes, 31 são na capital amazonense e um em Parintins.

Somente nesta segunda, foram registrados mais seis novos casos confirmados da doença, conforme a presidente da FVS, Rosemary Costa Pinto. Há, ainda, 20 casos sendo investigados pelo Laboratório Central de Saúde Pública do Amazonas (Lacen/AM).

Entres os casos confirmados, três pacientes estão internados. Dois deles estão no Hospital e Pronto Socorro Delphina Aziz, na zona norte, referência para o tratamento do coronavírus, e um está internado em uma unidade hospitalar privada.

O secretário de Saúde do Amazonas (Susam), Rodrigo Tobias, pontuou que o Delphina Aziz passará a atender, a partir desta segunda, apenas casos graves de coronavírus regulados, ou seja, que dão entrada na unidade por meio das ambulâncias do Estado. Tobias recomendou que a população que não apresenta os sintomas do coronavírus procure outras unidade do Estado.

“A partir de hoje, as portas estão fechadas, ou seja, o hospital será a nossa unidade de referência para casos graves de coronavírus regulados. Então, a população que procurava o Hospital Delphina Aziz deve procurar os nossos SPAs distribuídos na cidade, e não esquecendo, também, dos nossos hospitais e prontos socorros que também têm toda uma rede de profissionais de saúde qualificados”, orientou o secretário da Susam.

Conforme a presidente da FVS, mais de 90% dos casos confirmados no Amazonas são em pessoas que viajaram recentemente para outros lugares onde o vírus já circulava. A faixa etária dos pacientes contaminados é de 30 anos, em média.

Dentre os casos confirmados, o paciente mais novo tem 10 anos de idade. Os mais velhos têm 70 e 83 anos de idade. Ou seja, apenas dois estão no grupo de risco. Há também quatro médicos entre os casos confirmados pela FVS-AM.

“De todos os profissionais médicos que temos registros, hoje, nós temos quatro entre esses casos positivos. Eles viajaram, foram para congressos em São Paulo, Estados Unidos e Europa. Então, são casos importados, as pessoas chegaram aqui com o vírus. Não há notificação de que o médico tenha se contaminado no exercício da medicina”, esclareceu Rosemary.

Sobre informações de que havia notificação de contaminação em três indígenas da etnia Marubo, que teriam vindo de Atalaia do Norte, a presidente da FVS-AM afirmou que não há casos confirmados neste grupo.

“Nós não recebemos amostra e nem notificação. Então, não temos casos suspeitos ou confirmados de novo coronavírus em indígenas. A secretaria de saúde indígena já tem seu plano de contingência, com notas técnicas e orientações a respeito de como os distritos de saúde indígena devem lidar com a situação, com orientações específicas sobre isolamento e orientando sobre a não circulação desses indígenas”, disse.

Equipamentos de proteção individual

Segundo o secretário da Susam, a partir de quarta-feira (25), o Estado deve receber 250 Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), que serão enviados pelo Ministério da Saúde.

“Nós estamos recebendo 250 equipamentos de proteção individual para aqueles profissionais que vão tratar diretamente com os pacientes confirmados e casos graves dentro do Delphina Aziz, que estarão devidamente paramentados. Os EPIs utilizados nos Caics e Caimis são diferentes dos que são utilizados nos prontos socorros e grandes hospitais. O fato é que, por exemplo, nós temos máscaras, mas não temos máscaras N-95, que são recomendadas especificamente para tratar com os casos confirmados em toda a rede”, acrescentou.

Ainda segundo o secretário, a falta dessas máscaras não é um problema apenas do Amazonas, mas de todo o Brasil, devido a pouca oferta no mercado, pois a produção ainda é pequena diante da necessidade que o sistema de saúde brasileiro necessita. “Nós estamos fazendo a aquisição de aventais devidos, óculos, viseiras”, afirmou.

Municípios do interior

Tobias destacou que todas as unidades de saúde do Estado estão equipadas e preparadas para atender os possíveis casos confirmados do novo vírus.

“Nós estamos equipando oito municípios polos, além de Boca do Acre, para que possamos fazer o isolamento dos casos suspeitos. Com isso, se os nossos testes de diagnóstico confirmarem os casos, por meio de um sistema, a capital será informada que aquele município tem um caso grave”, falou.

***Matéria atualizada às 16h27 para acréscimo de informações***

Anúncio