Tabagismo é a principal causa de morte que pode ser evitada em todo o mundo, diz OMS

Com mais de 4 mil substâncias, cigarro pode desenvolver doenças cardíacas, respiratórias e determinados tipos de câncer. Segundo dados do Ministério da Saúde, homens são os que mais fumam

Manaus – Com mais de quatro mil substâncias, como acetona (removedor de esmalte), chumbo (metal que causa câncer), naftalina (veneno para baratas e insetos) e fenol (desinfetante de vasos sanitários), o cigarro pode desenvolver uma série de doenças cardíacas, respiratórias e determinados tipos de câncer. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS) o tabagismo é a principal causa de morte que pode ser evitada em todo o mundo.

Estudos mostram que pelo menos 80% dos fumantes querem parar com o vício, mas apenas 3% conseguem sozinhos. (Foto: Reinaldo Okita/Diário do Amazonas)

Tudo começa com apenas um ‘experimento’, normalmente ocorrido na adolescência, que tende a se tornar um vício perigoso por um longo tempo. Estudos mostram que pelo menos 80% dos fumantes querem parar com o vício, mas apenas 3% conseguem sozinhos.

A autônoma Edinalda Sampaio, 57, começou a fumar com 18 anos, na escola, por influência dos amigos, e sustentou o vício até os 47 anos. “Eu dormi fumando, ‘do nada’, e quando acordei não fumava mais. Sem tratamento, sem nada. Foi assim que eu consegui passar oito anos sem fumar”, contou.

Após oito anos, Edinalda ficou desempregada e por conta da ansiedade, voltou a fumar. “A gente se engana com o cigarro, achando que ele vai aliviar essa ansiedade mais acaba levando a gente ainda mais para o buraco. Eu voltei a fumar, mas eu morro de vergonha. Às vezes quando me dá vontade de fumar eu me levanto, vou fumar longe, tenho muita vergonha. Queria tanto que Deus me ajudasse para que acontecesse o que aconteceu da última vez, que eu parei de fumar e nem sofri ”, lamentou a autônoma.

Malefícios à saúde

A pneumologista Maria do Socorro Lucena explicou que os componentes do cigarro, quando ingeridos, podem desenvolver doenças como câncer no estômago, bexiga e pulmão; além de causar gastrite e alteração na pele, deixando-a pouco viçosa. “Outra doença causada pelo uso do cigarro é a doença pulmonar obstrutiva, que dificulta a chegada do oxigênio no pulmão. Não tem cura, mas tem tratamento”, explicou. Entre os sintomas da doença estão tosse, falta de ar e catarro em excesso. O tratamento consiste em suspender, imediatamente, o uso do cigarro.

A saúde bucal também é afetada pelo uso do cigarro e pode causar de mau hálito ao câncer. “As substâncias químicas se aderem a superfície do esmalte do dente, causando manchas escuras. Também predispõe a doenças periodontais, como a gengivite e periodontite. As substâncias químicas e nocivas contidas no cigarro podem aumentar as chances do fumante desenvolver câncer bucal”, explicou a dentista Fernanda Breves. Os fumantes, em casos graves, podem ter a perda óssea e até perda dos dentes, devido o aumento da temperatura tornando o ambiente mais propício para as bactérias. 

Homens fumam mais

Conforme dados do Ministério da Saúde (MS), em 2016, o número total de adultos que fumam era de 10,2%. Já em 2017, quando separado por gênero, a frequência de fumantes é maior no sexo masculino (13,2%) do que no feminino (7,5%). Adultos com 65 anos ou mais somam 7,3%, número menor do que jovens entre 18 a 24 anos (8,5%) e adultos de 35 a 44 anos (11,7%).

Uma pesquisa da Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (Vigitel) apontou que em Manaus os homens também são os que aparecem em maior número de fumantes, com índice de 11% e 4,4% entre mulheres.

Auxílio disponível a quem quer parar com o vício

Para 2018, a Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) tem como meta atingir um índice médio de 60% de cessação do uso do tabaco entre os pacientes dos Ambulatórios de Tabagismo, contribuindo cada vez mais para que a população desenvolva hábitos saudáveis de vida.

Os interessados em iniciar o tratamento devem procurar uma das 22 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) que oferecem o atendimento, disponíveis em todas as zonas da cidade. O único pré-requisito para participação no programa é a vontade do usuário de abandonar o uso do cigarro, Cada Ambulatório abre entre duas e três turmas por ano.

Nesta quarta (29) e quinta-feira (30), profissionais dos Ambulatórios de Tratamento de Fumantes da Prefeitura de Manaus irão participar do curso de Formação para a Abordagem Intensiva ao Fumante. O curso é organizado pela coordenação municipal e estadual do Programa de Controle do Tabagismo.

O público alvo do curso é formado por profissionais que atuam nos 22 Ambulatórios de Tratamento de Fumantes em Manaus, além de trabalhadores de saúde de municípios do interior do Amazonas.

O secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi, explicou que a capacitação tem como objetivo fortalecer o atendimento já realizado nos Ambulatórios implantados no município, distribuídos nos Distritos de Saúde (Disas) Sul, Norte, Leste, Oeste e Rural, oferecendo atendimento para pessoas que querem abandonar o uso do tabaco e seus derivados.

Anúncio