Terceirizados da Susam denunciam falta de almoço e de pagamento

Funcionários que prestam serviço no HPS João Lúcio denunciam o atraso de três meses no pagamento dos salários

Manaus – Funcionários terceirizados da Secretaria de Estado de Saúde (Susam), da empresa Podium, que prestam serviço no Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, localizado na zona leste de Manaus, denunciam que os salários estão atrasados há cerca de três meses. Os funcionários informaram à reportagem que foram barrados no refeitório do hospital, na última quinta-feira (28), pois a empresa não pagou o almoço deles.

Hospital Pronto-Socorro João Lúcio está localizado na zona leste de Manaus (Foto: Reinaldo Okita)

Paula Alessandra da Silva Monteiro, 32, funcionária de serviços gerais da unidade, conta que está há três meses sem receber. Segundo ela, cerca de 70 funcionários da limpeza, área administrativa e maqueiros estão com salários atrasados.

“A gente estava quatro meses sem receber, eles pagaram um mês e falaram que iam pagar o resto até o final do ano, mas até agora nada. Eles dizem que o dinheiro já foi repassado. Hoje (quinta-feira, 28) fomos barrados na porta do refeitório porque não tinham pagado nosso almoço, estávamos jogados igual cachorro esperando uma quentinha”, disse.

Geane França, 33, também funcionária de serviços gerais, disse que os servidores receberam ameaças de demissão caso paralisassem o serviço. “A gente tem conta para pagar, eu e meus filhos passamos o Natal sem ceia. Eles ficam enganando a gente, quando falamos que vamos parar eles ameaçam dar a nossa conta, tratam a gente mal e com ignorância. A gente fica preocupado. Estamos jogados, largados, só Deus por nós (sic)”, declarou.

Uma funcionária do setor administrativo, de 27 anos, que pediu para não ter o nome divulgado, conta que as dificuldades de ficar sem receber e honrar os compromissos. “O que passam para nós é que tudo vai normalizar no ano que vem. A gente fica aqui trabalhando direto e dizem que vamos receber em dia, chega esse dia e nada. Ninguém trabalha de graça, tem as contas para pagar, você não consegue comprar nem um pão para o seu filho, isso é uma vergonha”, relatou.

Conforme Roberto Silva, do setor jurídico da empresa Podium, a informação sobre o almoço dos terceirizados não procede e o Governo está atualizando o pagamento dos funcionários. Segundo a Secretaria de Estado de Saúde (Susam), a direção do Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio informou que o almoço foi servido a todos os servidores. Houve apenas um problema pontual com relação à logística, resultando em um atraso na entrega da alimentação.

O órgão informou ainda que a empresa Podium assinou um acordo com o governo do Estado para pagamentos de débito. Conforme previsto no acordo, a primeira parcela foi paga em 14 de dezembro e as demais continuam de janeiro em diante até a quitação.

Anúncio