Testemunhas de morte no Porão começam a ser ouvidas em audiência

As três vítimas dos disparos, efetuados pelo delegado da Polícia Civil Gustavo Sotero, já foram ouvidas. Sotero aguarda na carceragem do Fórum Ministro Henoch Reis para depor

Manaus – As testemunhas do assassinato do advogado Wilson de Lima Justo Filho, 35, ocorrido dentro do Porão do Alemão, zona centro-oeste de Manaus, no ano passado, começaram a ser ouvidas pela Justiça na tarde desta quinta-feira (14). A audiência de instrução do delegado da Polícia Civil Gustavo Sotero, acusado do crime, teve início por volta de 8h30 desta quinta.

O delegado Gustavo Sotero é acusado de matar a tiros o advogado Wilson Filho (Fotos: Reprodução)

De acordo com o advogado de defesa de Sotero, Cláudio Dalledone Júnior, a audiência ocorre dentro da normalidade. Sotero aguarda na carceragem do Fórum Ministro Henoch Reis ser chamado para depor, mas o advogado acredita que a audiência dê prosseguimento nos próximos dias 24 e 25 de julho, por conta da quantidade de testemunhas que ainda devem ser ouvidas.

“As coisas estão transcorrendo dentro da normalidade o que é de se esperar de um processo criminal. Ele (Sotero) está aguardando na carceragem, mas não deve ser ouvido hoje”, diz Dalledone. Ele ainda explica que o delegado Sotero não será ouvido junto com as outras testemunhas para não causar nenhum tipo de constrangimento às partes.

Uma das três testemunhas que não são residentes em Manaus já foi ouvida por carta precatória em Balneário Camboriú (SC) e as outras duas deven ser ouvidas pela comarca de Curitiba (PR).

O advogado de defesa de Sotero, Cláudio Dalledone Júnior (Foto: Raquel Miranda)

Manhã de audiência

As três vítimas dos disparos do delegado Gustavo Sotero, que sobreviveram, já foram ouvidas pela Justiça, na manhã desta quinta-feira, na sala de audiência do 1° Tribunal do Júri. Dentre elas, a viúva do advogado Wilson Filho, Fabíola Rodrigues Pinto de Oliveira.

Audiência entra em recesso

A audiência de instrução do delegado da Polícia Civil, Gustavo Sotero entrou em recesso por voltas das 14h45. A sessão deve retornar por volta das 15h45. Até o momento, quatro testemunhas já foram ouvidas, dentre elas Fabíola Rodrigues Pinto de Oliveira, esposa de Wilson. O depoimento dela, segundo informou o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), durou cerca de quatro horas.

Ainda na primeira parte da audiência foram ouvidos Iuri Paiva Dácio de Souza e Maurício Carvalho Rocha, além de um capitão da Polícia Militar do Amazonas (PM-AM). No retorno da audiência, serão ouvidas quatro testemunhas do Ministério Público do Amazonas (MP-AM). A próxima audiência ocorrerá no dia 24 de julho.

***Matéria atualizada às 17h, para correção de informação. A audiência deve prosseguir nos próximos dias 24 e 25 de julho, e não deste mês, como dito anteriormente.

Anúncio