Trânsito de Manaus é o quinto mais violento do País

Dados são referentes ao pagamento de indenizações por mortes pelo DPVAT. De acordo com o levantamento, a capital amazonense subiu três posições no ranking entre 2008 e 2017

Manaus – Em dez anos, Manaus se tornou a quinta capital com maior número de mortes no trânsito. Segundo levantamento de indenizações de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Via Terrestre (DPVAT) a capital amazonense subiu três posições no ranking entre 2008 e 2017. Quando não mata, o trânsito da capital deixa condutores e pedestres inválidos, no ano passado, foram quase 2,5 mil vítimas, em média, seis por dia.

Em 2017, 289 famílias foram indenizadas após terem condutores ou pedestres mortos no trânsito nas avenidas de Manaus. (Foto: Reinaldo Okita/Arquivo)

Apesar de ter tido uma redução de 14% na década avaliada pela seguradora Líder, responsável pelo DPVAT, capitais como Goiânia (-45%) e Curitiba (-55%) registraram quedas mais expressivas.

Ao todo, em 2017, 289 famílias foram indenizadas após terem condutores ou pedestres mortos no trânsito nas avenidas de Manaus. Há dez anos, esse quantitativo foi de 337 indenizações.

Manaus, que em 2008 nem entrava no ranking das dez capitais com maior número de indenizações por lesões no trânsito, no ano passado, apareceu na lista em 10º lugar. O dado preocupante divulgado no ‘Especial 10 anos de DPVAT’ mostrou que no ano passado quase 3 mil pessoas tiveram ferimentos graves em decorrência dos acidentes de trânsito. Foram oito acidentes graves por dia, em média, naquele ano, segundo a seguradora.

O mesmo ocorreu com relação aos seguro pago às vítimas que tiveram sequelas graves. Enquanto em 2008 Manaus não estava na lista, no ano passado, 2.464 indenizados fizeram com que a capital ocupasse a nona colocação, conforme demonstrou o levantamento.

Atualmente o Brasil, segundo o levantamento, apresenta o 5º maior índice de acidentes de trânsito no mundo, de acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS). Embora a maior concentração de veículos automotores esteja nas regiões Sudeste e Sul, entre 2008 e 2017, a composição da frota de veículos automotores no Brasil cresceu, sobretudo nas regiões Nordeste e Norte, com aumento superior a 125% em ambas as regiões, conforme o estudo.

Mais perigosas

No mês passado, o Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) divulgou as oito ruas e avenidas de Manaus mais perigosas para os pedestres. Os dados deste ano mostraram que 39 pessoas foram mortas atropeladas na capital.

As avenidas Torquato Tapajós, Cosme Ferreira e Constantino Nery lideram entre as ruas com maiores número de acidentes fatais. Em todo ano passado, 70 pedestres morreram neste tipo de acidente.

As oito vias concentram mais da metade (66%) de todos os acidentes com morte da capital. Cerca de cinco pedestres foram atingidos por veículos e morreram na Torquato Tapajós em menos de seis meses, conforme o balanço do Manaustrans. Ainda integram o ranking: Avenida Cosme Ferreira, Max Teixeira e Constantino Nery onde, em cada via, quatro pessoas foram mortas no mesmo período. Coronel Teixeira (3), na zona centro-oeste, Avenida das Torres (2) na zona norte, Itaúba, na zona leste e Djalma Batista (2) também estão na lista, segundo o Manaustrans.

Indenização paga pelo seguro obrigatório é de até R$ 13,5 mil

Nos casos de morte, o valor da indenização paga através do DPVAT é de R$ 13,5 mil. Nos casos de invalidez permanente, o valor também é o mesmo, de até R$ 13,5 mil, variando conforme a intensidade e repercussão da lesão no corpo da vítima. As despesas médicas e hospitalares são reembolsadas em até R$ 2,7 mil, considerando os valores gastos pela vítima em seu tratamento.

Os prazos para dar entrada no benefício, segundo a seguradora Líder, são de três anos, em caso de morte, contados a partir da data do óbito. Em casos de reembolso de despesas médicas, o prazo de três anos é contado a partir da data do acidente. E, nos casos de invalidez permanente, o prazo de até três anos é contado a partir da data da ciência da invalidez.

Após a apresentação de toda a documentação necessária, o pagamento da indenização é feito em conta-corrente ou poupança da vítima ou de seus beneficiários em até 30 dias. Se houver alguma pendência, o prazo será recontado a partir da data em que a pendência for solucionada, segundo informou a seguradora.

Anúncio