Trezentas casas são demolidas no Monte Horebe

A reintegração de posse da área começou nas primeiras horas desta segunfa-feira (2), próximo ao Conjunto Residencial Viver Melhor, na zona norte da capital

Manaus – Trezentos ‘barracos’ foram demolidos por tratores, ontem, durante a ação de reintegração de posse na Comunidade Monte Horebe, na zona norte da capital, que não eram utilizados para moradia, informou a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM). Quatro homens foram presos por tráfico de drogas, que não tiveram os nomes divulgados. Em balanço divulgado no final da tarde desta segunda-feira 02, o governo contabiliza a identificação de 457 imóveis e  já formalizou 70 acordos de moradia.

De acordo com o secretário da SSP-AM, coronel Louismar Bonates, só foram destruídas casas que estavam sem moradores. “Aqueles que estão realmente residindo aqui vão permanecer até que todo o cadastro seja feito. Ninguém será retirado de sua residência. O que nós estamos fazendo demolição é daquelas áreas que não tem ninguém morando, que é uma área, por sinal, muito grande, de pessoas que só estavam aqui especulando em cima da área imobiliária”, disse. Bonates afirmou que a ação foi realizada dentro da normalidade, sem nenhum registro de incidente.

De acordo com o secretário, a permanência das forças de segurança deve continuar no local até que o trabalho social seja concluído. “Enquanto o social estiver trabalhando, nós estaremos aqui garantindo a permanência de todos eles. Essa é uma operação de retirada para, aproximadamente, 15 a 20 dias. A permanência das pessoas que estão aqui vai depender do trabalho social”, acrescentou.

Os trabalhos serão suspensos no final da tarde desta segunda-feira (2) e retomados nesta terça-feira (3) (Foto: Divulgação/Stephane Simões)

O morador Isaías Lima, 43, afirmou que mora no local há dois anos e seis meses. Ele se posicionou contra a decisão do governo. Segundo ele, durante a manhã, as equipes do social ainda não tinham conversado com o mesmo.

“Quem está satisfeito sendo arrancado forçadamente das suas casas? Ninguém fica satisfeito. Nós estamos sem luz e sem água. A metade da minha casa foi quebrada. Nós estamos dentro de um lugar aonde não pagamos aluguel. Eles estão querendo nos levar para o aluguel, e nós já saímos disso porque não temos condições de pagar”, ressaltou o morador.

Mais de 200 famílias já foram atendidas pela Secretaria de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc). A ação foi realizada  no 6° Colégio Militar da Polícia Militar do Amazonas (CMPM), na zona norte de Manaus.  Os moradores são direcionados a passar por um processo de triagem, que irá proporcionar melhores condições de moradia.

De acordo a defensora pública e secretária de Estado de Justiça, Direitos Humanos e Cidadania (Sejusc), Caroline Braz, o processo de triagem das famílias, acontece em duas etapas.  Primeiro é realizado o cadastro social e, em seguida, a família é direcionada para o atendimento da Defensoria Pública do Estado (DPE), para assinar o termo de acordo a desocupar o imóvel para que possa, por fim, receber o benefício. “As famílias que não concordarem em assinar o termo de acordo vão passar pela reintegração de posse” disse ela.

O pagamento de auxílio-aluguel prometido pelo Estado é de R$ 600 aos moradores que serão retirados e o governo anunciou ainda construção de um complexo de segurança pública na área, que irá beneficiar também aos moradores do conjunto Viver Melhor.

***Matéria atualizada às 22h44***

Anúncio