Vacina contra H1N1 tem lista de espera em clínicas particulares de Manaus

Enquanto a campanha na rede pública não inicia, à espera dos lotes de vacinas prometidos pelo Ministério da Saúde, as clínicas particulares estão faturando com a alta procura dos clientes

Manaus – O surto do vírus Influenza A (H1N1), que já matou 16 pessoas no Estado, tem deixado clínicas particulares de imunização, em Manaus, com lista de espera e com pagamento antecipado para a chegada da vacina que protege contra a doença. A clínica Imunizar recebeu, nesta segunda-feira (4), o primeiro lote da vacina. Com mais de cem pessoas em uma lista de espera, esses clientes efetuaram o pagamento antecipado pelo medicamento e aplicação que custa R$ 150.

“A demanda por aqui tem sido muito grande, hoje, recebemos o primeiro lote da vacina e desde a abertura da clínica, mesmo com feriado, já tem gente procurando se imunizar. Hoje, os telefones não pararam de tocar, temos tido uma procura muito superior aos anos anteriores”, afirmou Kelly Matos, atendente da clínica.

Clientes fizeram pagamento antecipado e estão em lista de espera (Foto: Altemar Alcantara/Arquivo Semcom)

A procura pela imunização aumentou depois que as mortes por Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) foram confirmadas. Conforme a edição nº 04/2019 do Boletim Epidemiológico da SRAG, da Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas (FVS-AM), foram notificados 276 casos de SRAG no Estado, neste ano. Destes, 62 deram positivo para o Vírus da Influenza A (H1N1) e 33 para Vírus Sincicial Respiratório (SRV). A maioria das mortes foi registrada em Manaus (12). Há também óbitos em Manacapuru (2), Parintins (1) e Itacoatiara (1). Em relação ao Vírus Sincicial Respiratório, a maior incidência são em menores de 1 ano.

O Ministério da Saúde (MS) garantiu ao Governo do Amazonas que irá antecipar a campanha, que acontece no País em abril, para segunda quinzena deste mês. Na última sexta-feira (1º), cerca de 60 mil comprimidos de antiviral para enfrentamento da gripe H1N1 chegaram às redes estadual e municipal. A medida foi definida pelo Comitê Intersetorial, criado pelo Governo do Amazonas para planejar ações de enfrentamento à gripe após os comprimidos serem enviados pelo MS.

Anúncio