Vigilantes terceirizados da Susam paralisam atividades por falta de pagamento

Os trabalhadores paralisaram as atividades no HPS João Lúcio, nesta quinta-feira. Eles afirmam que estão há cinco meses sem receber os salários

Manaus – Vigilantes terceirizados da empresa Legítima Segurança, que presta serviço para o Governo do Estado, paralisaram as atividades, na manhã desta quinta-feira (23), no Hospital Pronto Socorro João Lúcio, na zona leste da capital, em protesto pela falta de pagamento. Eles denunciam que estão há cinco meses sem receber os salários e também o não cumprimento de acordo feito pelo Sindicato dos Vigilantes (Sindevan) com o Governo.

Vigilantes terceirizados paralisam atividades no HPS João Lúcio (Foto: Natasha Pinto/Divulgação)

Ednei Moraes, 36, disse que são 36 pessoas que trabalham no hospital, 12 horas por dia, e que a representante da Susam, juntamente com a representante do financeiro do João Lúcio, já haviam entrado em contato com eles pedindo mais 10 dias para efetuar o pagamento de um dos salários.

“O governador deu um prazo de 30 dias para começar a pagar a nós (sic), terceirizados, quando acabou esse prazo, pediram mais 10 e não nos pagaram até agora. Estamos com cinco meses sem salário, com dívidas de água, luz, além de algum terem ameaça de despejo por conta do aluguel”, disse.

Edinei, como um dos membros do Sindevan, afirma que a falta de pagamento para os vigilantes terceirizados é geral e só alguns estão recebendo seus salários atrasados.

“Alguns trabalhadores já começaram a receber, de outros departamentos, só queremos entender o porquê do João Lúcio não estar repassando nossos salários. O final do ano está chegando, imagina quando irão pagar nosso 13° salário. Não queremos nota à imprensa, queremos nosso dinheiro na conta”, completou.

A Secretaria de Estado de Saúde (Susam) informou, por meio de nota, que foi liberado, nesta quinta-feira (3), o pagamento da empresa que presta serviço de segurança no Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio. O compromisso das mesmas, segundo a Susam, é que priorizem o pagamento de seus funcionários. A secretaria informou, também, que, em novembro, foram pagos R$ 44 milhões a empresas de recursos humanos.

***Texto atualizado às 11h50, com resposta da Susam.

Anúncio