Visa Manaus recomenda regras para entrega de alimentos, em prevenção à Covid-19

Restaurantes que adotam o sistema de entrega (delivery) devem seguir regras de segurança mais rígidas

Manaus – Restaurantes que adotam o sistema de entrega (delivery) devem seguir regras de segurança mais rígidas durante o período de enfrentamento ao novo coronavírus, causador da Covid-19. A recomendação é da Vigilância Sanitária da Prefeitura de Manaus (Visa Manaus), que elaborou Nota Técnica (003/2020 DVisa/SUBGS) para orientar fornecedores e clientes quanto à redução de riscos relacionados a manipulação, embalagem, transporte, entrega e pagamento.

(Foto: Divulgação)

A Nota do órgão vinculado à Secretaria Municipal de Saúde (Semsa) também orienta para as condutas adequadas nos supermercados, incluindo as dirigidas aos funcionários e clientes, além de normas para organização das filas. “Com o documento, a Visa Manaus reúne itens essenciais de exigência, facilitando o acesso e a compreensão dos procedimentos necessários à redução de riscos no setor de alimentos”, informa o secretário municipal de Saúde, Marcelo Magaldi.

De acordo com a diretora da Visa Manaus, Maria do Carmo Leão, entre as recomendações estão as relacionadas à higiene pessoal dos que realizam entrega. “Reforçamos a necessidade do uso de roupas limpas, chapéu ou touca e sapatos fechados”, diz. Além disso, manter as unhas curtas e sem esmalte, dispensar o uso de acessórios, como colares e brincos e, no caso dos homens, evitar barba ou bigode.

Quanto aos veículos (carros ou motocicletas), a recomendação é higienizar os pontos de contato, como guidão ou volante, maçanetas e painéis com solução clorada (água sanitária diluída) ou com álcool em gel a 70%, e com o auxílio de papel toalha, a cada entrega.

Pelo documento, o mesmo procedimento deve ser feito, no mínimo, três vezes ao dia, no compartimento das motos onde o alimento é transportado e também nos estrados e caixas plásticas (itens obrigatórios), utilizados para o transporte dos produtos no carro.

A assessora técnica da Visa, fiscal farmacêutica Nádia Soares, explica que a solução clorada pode ser feita na medida de 1/4 de água sanitária para 3/4 de água. “Para 1 litro de solução, por exemplo, o usuário deve misturar 250 ml de água sanitária com 750 ml de água”, orienta, informando que a manipulação do produto deve ser feita com cuidado, porque a água sanitária pode causar irritação na pele e nas mucosas.

A Nota também orienta que, na hora da entrega, entregador e cliente fiquem distantes e que a máquina de cartão esteja envolvida em papel filme, para que seja higienizada com álcool em gel a 70% após o uso. Também recomenda que a etiqueta respiratória seja respeitada e que, em caso de tosse ou espirro, seja usada a curvatura interna do cotovelo ou lenços descartáveis.

Outra recomendação expressa da Visa Manaus é que o alimento circule no veículo apenas o tempo necessário entre o local de distribuição e o ponto de entrega. Além disso, o alimento pronto deve chegar ao cliente na temperatura adequada para consumo (60ºC) e todas as embalagens devem ser adequadas, limpas e lacradas, para que possam ser higienizadas com solução clorada ou álcool antes de abertas. Os produtos prontos também devem chegar com etiqueta que informe o horário de saída e o tempo de segurança para o consumo.

Ao finalizar a entrega, o entregador deve higienizar as mãos com álcool em gel a 70%03 e, ao retornar para o estabelecimento, deve lavá-las com água e sabão.

A Nota da Visa reúne, ainda, recomendações dirigidas ao estabelecimento, incluindo a disponibilidade de lavatório equipado com sabonete líquido adequado (inodoro e antisséptico) e toalhas de papel não reciclado para uso exclusivo dos manipuladores de alimentos, além de lixeira com tampa e pedal, que pode ser acionada sem contato manual.

O órgão recomenda que o estabelecimento garanta a higienização correta do ambiente, aumente a circulação de ar por meio da abertura de portas e janelas, e organize dos postos de trabalho para assegurar a distância de 1 a 2 metros entre os funcionários durante o expediente. Além disso, os funcionários devem ser orientados para evitar conversar, tocar o rosto, nariz, boca e olhos durante as atividades de manipulação e o estabelecimento deve afastar temporariamente o funcionário que apresentar sintomas de resfriado, em especial, febre.