Saiba como evitar dermatites no seu pet

Descubra as causas e como evitar que seu pet sofra com os diferentes tipos de dermatites

São Paulo – As doenças de pele em cães são um dos problemas mais comuns que um pet pode ter e, para evitar esses casos, é preciso manter a saúde do animal em dia.

A dermatite canina nada mais é do que uma inflamação na pele do seu cão de estimação. Ela se manifesta como coceiras intensas, vermelhidão, lambidas e mordidas no local afetado, pus, perda de pelo, pele seca e escamosa.

Por ser uma doença que existem diversos agentes causadores, é preciso saber as causas e como tratá-las de forma adequada para que o seu pet não sofra.

Vale lembrar que, infelizmente, existem algumas raças que têm tendência genética para a dermatite, como:

  • Pug

  • Labrador Retriever

  • Yorkshire Terrier

  • Poodle

Algumas raças que têm tendência genética para a dermatite (Foto: Divulgação)

Apesar de outros cães, filhotes, adultos ou idosos, não terem predisposição para a dermatite, eles ainda podem desenvolver a doença, como já explicado, existem muitos agentes causadores desse problema.

Afinal, quais são as causas da dermatite canina?

Podendo ser definida como inflamação ou infecção, a dermatite é um problema que, assim como nos humanos, podem atacar seriamente a pele do cão.

As raças com predisposição para este mal geralmente pertencem aos cães de pelagem longa ou com muitas dobrinhas, como o pug.

Esse tipo de pele pode ser um ótimo convite para a proliferação de bactérias e fungos, que podem ser apenas duas das outras várias causas.

Isso porque a pele do cão, assim como a dos humanos, possuem bactérias que protegem o organismo, e quando ocorre desequilíbrios e vulnerabilidade, esses agentes tendem a penetrar a pele do cachorro.

Para acontecer essa vulnerabilidade o cão pode estar com a imunidade baixa, com a pele muito oleosa ou até mesmo por outra bactéria que não viva na pele do pet.

Quando a dermatite é causada por fungos existem diferenças entre a dermatite bacteriana, uma vez que o aspecto redondo e apenas a região atingida sofre com perda de pelos e, em determinadas vezes, não apresenta coceira constante.

Esse tipo de doença pode ser contagiosa tanto para outros animais quanto para humanos, por isso, é necessário cuidar o mais rápido possível para evitar transmissões.

Outra variação da dermatite é a causa hormonal, já que os hormônios têm influência direta na saúde da pele.

Com o aumento ou a baixa da produção de hormônios acabam por resultar na queda de pelo, mudança da cor da pele e também podem apresentar uma textura diferente.

Quando se trata de um causador parasita, os sintomas de alergia são os mesmos. Os parasitas podem ser pulgas, carrapatos, piolhos e até mesmo a sarna.

blank

As raças com predisposição para este mal geralmente pertencem aos cães de pelagem longa ou com muitas dobrinhas (Foto: Divulgação)

E se for a alimentação?

Muitos tutores não sabem, mas uma má alimentação pode ser outro fator para que a saúde do seu pet seja afetada.

Além de problemas como indigestão ou diabete, uma alimentação desregulada pode ocasionar problemas de pele.

É importante estar atento à dieta do seu pet, não somente para garantir a boa aparência dos pelos, mas para manter a imunidade do seu cão em alta sempre!

Mesmo que o diagnóstico para algum alimento ainda seja menos frequente que os outros agentes citados acima, é de responsabilidade do veterinário verificar, mas você pode identificar logo depois dele ingerir algum alimento diferente.

Diagnóstico e tratamento da dermatite canina

Do mesmo modo que há diversos agentes causadores da dermatite, também existem alguns meios para o tratamento.

O diagnóstico correto será dado pelo veterinário, realizando um primeiro exame quando é suspeitado a dermatite.

Testes vários produtos utilizados pelo pet no dia-a-dia, hormonais e biópsias podem ser solicitados para encontrar a causa da irritação e confirmar se realmente trata-se de uma dermatite.

Dependendo da causa da doença, o tratamento pode ir de banhos com shampoos específicos para o tratamento da irritação, ou em casos de problemas com a alimentação, uma ração hipoalergênica pode ser prescrita pelo veterinário.

blank

Para evitar dermatites, é preciso manter a saúde do animal em dia (Foto: Divulgação)

Como prevenir seu cão da dermatite

Mesmo que possa acontecer, o maior cuidado que você tiver com a higiene e alimentação do seu pet pode ser o básico para evitar que sejam desenvolvidas doenças de pele, incluindo a dermatite.

Não esqueça de sempre pentear os pelos do seu cão, caso tenha uma pelagem longa, além de evitar a formação de nós indesejados, auxilia na beleza e saúde dos pelos.

Lembre-se que, depois dos banhos, é preciso garantir que o seu cão esteja bem seco, já que a umidade dos pelos são um prato cheio para a proliferação de fungos e bactérias!

Falando em banho, garanta que os produtos utilizados sejam ideais para o tipo de pêlo do seu pet.

No caso da alimentação, invista em rações adequadas para o seu pet, hoje no mercado é super comum achar marcas que fogem do glúten ou leite adicionado.

Em casa, utilize produtos de limpeza que não sejam tão agressivos e mantenha sempre o ambiente limpo para que não surjam os agentes causadores da dermatite!

O ideal em casos que sejam urgentes é procurar uma clínica veterinária 24h mais perto da sua residência, já que o tratamento de doenças quanto mais cedo começarem, maiores as chances de uma rápida melhora. Cuide daquele que te ama.

Anúncio