Clima de Manaus passou por cinco fenômenos extremos em três anos

Desde 2009, Manaus viveu duas enchentes recordes, a maior vazante do Rio Negro e a maior temperatura já registrada, além da menor umidade relativa do ar.

Manaus –  Nos últimos três anos, Manaus passou por cinco fenômenos extremos da natureza que, de acordo com especialistas entrevistados pelo Portal D24AM, podem se tornar mais frequentes nos próximos anos. Desde 2009, a capital viveu duas enchentes recordes, a maior vazante do Rio Negro e a maior temperatura já registrada, além da menor umidade relativa do ar.

“As mudanças climáticas estão ocorrendo de forma mais intensa, não sei dizer se é por causa das atividades humanas ou por ciclo natural. Mas o fato é que elas estão afetando as nossas vidas”, ressaltou o chefe da seção de previsão do tempo do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), Veríssimo Farias de Assis.

O mais recente fenômeno extremo em Manaus, a cheia histórica do Rio Negro alcançada este ano, já afetou 18 bairros da cidade e, nos próximos dias, pode afetar 500 mil usuários do transporte coletivo na capital com a interdição da estação de ônibus da Praça da Matriz. No local, trafegam 122 linhas de ônibus de todas as zonas da cidade.

A cheia deste ano, que até sexta-feira tinha atingido a cota de 29,81 metros, já está afetando mais a população do que a de 2009, quando apenas parte da Avenida Eduardo Ribeiro foi interditada pela enchente. Naquele ano, o rio alcançou a cota de 29,77 metros. No ano seguinte, mais precisamente em 24 de outubro de 2010, o Negro registrou a cota de 13,63 metros, a menor dos 110 anos, quando começou a medição.

“Os fenômenos têm ocorrido em anos cada vez mais próximos.  O que antes demorava 50 anos para se repetir, se demora alguns anos”, frisou o supervisor de hidrologia do Serviço Geológico do Brasil (CPRM), Daniel Oliveira.

De acordo com o meteorologista do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), Renato Senna, tanto em 2009 quanto neste ano a maior causa da enchente é a influência do fenômenoLa Nina, o esfriamento das águas do oceano Pacífico.

Na segunda quinzena de maio, o fenômeno já reduziu sua intensidade e começa o período de transição de estação chuvosa para a seca.

Fenômeno

Agosto é o mês da estação mais seca do ano, a quantidade de chuva prevista para o mês é de apenas 57,9 milímetros. No início da tarde do dia 11 de agosto de 2011, Manaus viveu o período de menor umidade relativa do ar em  cem anos, com índice de 18%. Na época, a chefe do Inmet, no Amazonas, Lúcia Goulart, alertou que os amazonenses poderiam sofrer com os efeitos da baixa umidade por não estarem adaptado a este ambiente.

“Há riscos para a saúde, como o aumento dos casos de conjuntivite e ressecamento da pele. Em casos extremos a falta de umidade nos olhos pode causar cegueira, por isso é recomendado o uso de soro fisiológico no nariz e nos olhos, como afirma a Organização Mundial de Saúde (OMS)”, informou.

Segundo o Inmet, a baixa umidade do ar no ano passado foi causada por uma massa de ar quente e seca que estava estacionada na região central do País e afetava o centro-sul do Amazonas.

Quanto ao calor, em setembro de 2010 Manaus registrou a temperatura de 38,3 graus à sombra, o dia mais quente em 112 anos. “A climatologia do planeta está mudando. O clima está gradativamente se transformando. O grande problema é que não temos muitos dados para comparar os diversos períodos, porque a meteorologia tem apenas 300 anos de pesquisas”, explicou o meteorologista do Inmet, Veríssimo de Assis.

Para complementar as informações dos recordes atingidos em Manaus, o mês mais chuvoso na capital foi março de 1968, com 632,8 milímetrosde precipitação, e o dia com temperatura mais baixa ocorreu em 20 de julho de 1981, quando a população da capital enfrentou a temperatura mínima absoluta de 17,7 graus centígrados. O dia que mais choveu em Manaus foi 8 de abril de 1967, com 180,8 milímetros.

Clima de Manaus passou por cinco fenômenos extremos em três anos

Maiores cheias em 2009 e 2012, maior vazante e o dia mais quente em 2010 e baixa umidade em 2011.