Ministro da Defesa visita Manaus para acompanhar a Operação Amazônia

Acompanhado pelo Comandante do Exército, General de Exército Leon Pujol, chegaram na cidade de Manaus na manhã desta segunda-feira (14)

Manaus – O Ministro da Defesa, General de Exército Fernando Azevedo e Silva, acompanhado pelo Comandante do Exército, General de Exército Leon Pujol, chegaram na cidade de Manaus na manhã desta segunda-feira (14), para acompanhar ações da Operação Amazônia, que serve para aperfeiçoar as ações militares na região. Ainda na segunda-feira, a comitiva do ministro acompanhou ações áreas e terrestres no município de Manacapuru, distante 67 quilômetros em linha reta de Manaus e na terça acompanhou os tiros do sistema “Astros”, no quilometro 61, da rodovia AM-010.

(Foto: Marcos Lima/GDC)

Na manhã de segunda-feira (14) foi realizado o salto aeromóvel, Sob comando do 1º Batalhão de Infantaria de Selva – Aeromóvel (1º BIS), com participação do 12º Grupo de Artilharia Antiaérea de Selva e da Companhia de Engenharia de Selva, de Marabá (PA). Pilotos da Força de Helicópteros do Exército completam a missão.

Pela manhã, os militares, divididos em oito aeronaves, saíram da Base Aérea de Manaus por volta das 10h e viajaram até um local pré-determinado em Manacapuru. Cada helicóptero fez duas viagens e levou os militares ao local de concentração da tropa. No dia anterior, 25 homens da equipe precursora foram ao local para preparar a área para receber os militares. A ação faz parte Operação Amazônia, que é um adestramento organizado pelo Comando Militar da Amazônia.

(Foto: Marcos Lima / GDC)

“Um esforço muito grande. Não só as brigadas que envolvem o Comando Militar da Amazônia, mas várias unidades de fora da Amazônia, vieram reforçar numa concentração estratégica muito bem feita, que demorou cerca de um mês e meio a dois meses, começou no final de julho. Essa concentração estratégica não deixa de ser uma manobra militar. Isso ai é um adestramento que é muito bom para p exército e até para as forças. Nos vimos aqui a integração da aviação do exército, da força área, dos meios navais. Isso aí é muito bom porque mostra a vontade a capacidade nossa de defender a Amazônia.”, disse o ministro.

(Foto: Marcos Lima/GDC)

Tiro do Sistema Astros
Na manhã de terça-feira (15), o ministro foi até o quilometro 61 da Rodovia AM-010, onde acompanhou a apresentação do “Astros”, que é um sistema de lançadores múltiplos de foguetes. É capaz de lançar munições de diferentes calibres a distâncias entre 9 e 300 km.Foram disparados os foguetes SS-40 e SS-40, ambos do Sistema “Astros 2020”.

Nós viemos até o local verificar o exercício comandado pelo General Theophilo. Ontem tivemos um briefing da operação e eu fiquei impressionado com a concentração estratégica dos meios do exército brasileiro que cerraram para a Amazônia, isso é um exercício muito bom. Esse sistema Astros fez uma situação estratégica, vindo de Formosa em Goiás até aqui. O exercício continua em defesa da soberania em uma região do Brasil que é Amazônia”, Completou o Ministro.

“Astros” é a sigla em inglês para sistema de foguetes de artilharia para saturação de área, batizado com esse nome no lançamento do sistema na década de mil novecentos e oitenta. O objetivo é lançar uma grande quantidade de fogos num curto espaço de tempo contra alvos de interesse da força. uma das suas principais características é a
versatilidade. o sistema é multicalibre e permite lançar munições variadas que vão de setenta à quatrocentos e cinquenta milímetros.

O material “Astros” foi utilizado na guerra irã-iraque nos anos oitenta, e nas duas guerras do golfo nos anos noventa e dois mil. seu desempenho em combate foi objeto de inúmeras referências por importantes exércitos ao redor do globo. Atualmente, além do Brasil, Arábia Saudita, Indonésia, Malásia e Qatar utilizam o “Astros”. o exército brasileiro possui dois grupos completos a três baterias do sistema astros. o corpo de fuzileiros navais da marinha do brasil também é dotado de uma bateria “Astros”.

Anúncio