Garantido encerra participação no Festival com tema: ‘O Boi da Liberdade do Povo’

A celebração folclórica revelou o dono da festa, boi-bumbá Garantido, a sinhazinha da fazenda Djidja Cardoso e o amo do boi, Gaspar Medeiros

Parintins – “O Boi da Liberdade do Povo”. Foi com este tema que o Boi Garantido encerrou sua participação no 54° Festival Folclórico de Parintins, na noite deste domingo (30).

Garantido encerrou participação com tema: “O Boi da Liberdade do Povo” (Foto: Edria Caroline)

A celebração folclórica, que fez uma homenagem ao criador do bumbá vermelho e branco, Lindolfo Monteverde, revelou o dono da festa, boi-bumbá Garantido, a sinhazinha da fazenda Djidja Cardoso e o amo do boi, Gaspar Medeiros.

Figura tipica regional revelou para arena porta-estandarte Edilene Tavares (Foto: Edria Caroline)

A rainha do folclore, Brenda Beltrão, chegou na arena representando a liberdade do folclore popular.

Ao som da toada “Celebração da Fé”, o pajé, Adriano Paketá, chamou as tribos indígenas para concorrem ao item de número 13.

A lenda amazônica “Wadyê – o devorador de cunhãs”, trouxe a cunhã-poranga Isabelle Nogueira, que encenou uma luta contra o monstro Wadyê na arena do Bumbódromo.

Com a participação de Márcia Siqueira, Sebastião Junior cantou “Rosas Vermelhas” (Foto: Edria Caroline)

Concorrendo ao item toada, letra e música, o levantador de toadas, Sebastião Junior, cantou “Rosas Vermelhas”, com a participação da cantora Márcia Siqueira.

A figura típica regional Caboclitude revelou a porta-estandarte Edilene Tavares.

O ritual indígena encerrou a noite com uma apoteótica aparição do pajé do Boi Garantido, representando um gavião.

Esperançoso

Confiante no título, o presidente do Boi Garantido, Fábio Cardoso, afirmou que o bumbá cumpriu com tudo o que foi programado. “Fizemos um belíssimo espetáculo e saímos com a sensação de dever cumprido. E, amanhã (hoje), se Deus quiser, seremos campeões”, completou.