Pesquisa na Amazônia analisa importância da biodiversidade

Estudo diz que terra firme é mais rica em número de espécies

Brasília – Pesquisa sobre população de répteis na Reserva de Desenvolvimento Sustentável Amanã, no Amazonas, a 650 quilômetros a oeste de Manaus, confirma a hipótese de que a terra firme é mais rica em número de espécies, e as áreas de várzea têm maior quantidade de animais.

A unidade de conservação, de 2,3 milhões de hectares, é banhada pelo rio Solimões e costuma ser inundada na época de cheia – por três a seis meses, com variação do nível de água em até dez metros. O rio Solimões tem 1.700 quilômetros de extensão e, ao se juntar com o rio Negro, forma o rio Amazonas.

Pesquisa confirma a hipótese de que a terra firme é mais rica em número de espécies, e as áreas de várzea têm maior quantidade de animais (Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil)

A pesquisa foi feita pelo Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. Teve como objetivo “avaliar a diferença de ambientes e a influência sobre a biodiversidade, para entender como funciona a dinâmica do ambiente de várzea, o ambiente de terra firme e como a diversidade local interage com essas situações”, explica o biólogo Yuri Cobra, integrante do Grupo de Pesquisa em Ecologia de Vertebrados Terrestres do Instituto Mamirauá.

Em um ano de coleta de animais na unidade de conservação, 512 espécimes (indivíduos) de cobras e lagartos foram coletados. Foram identificadas 39 espécies (tipos) de animais em terra firme e 30 em matas alagadas de várzea.

Quatorze dessas espécies conseguem se adaptar a mais de um tipo de condição ambiental – chão firme, copas das árvores e/ou às áreas inundadas pelo leito do rio. Todos os animais identificados têm hábitos diurnos. Não foram feitas coletas durante a noite.

Importância da preservação

Para Yuri Cobra, o trabalho de pesquisa básica mostra que “as estratégias de preservar grandes áreas são importantes dentro do processo de conservação, mas não podem ser vistas como único fator decisivo para conservar a biodiversidade. O ambiente saudável é elemento importante para o processo de evolução.” Por causa da localização e da topografia, a unidade de conservação está em uma das áreas mais preservadas da Amazônia.

Conforme o biólogo, o mosaico da região, com áreas úmidas e secas, favorece a qualidade ambiental. Além dos processos ecológicos, a diversidade é virtuosa para o uso sustentável de recursos (como pesca e agricultura familiar) e novas descobertas científicas, como produção de medicamentos a partir de venenos de cobra.

O Instituto Mamirauá contabiliza que “o Brasil tem o terceiro maior número de répteis do mundo, com 795 espécies descritas. Destes, 753 são espécies de répteis escamosos (lagartos, cobras e anfisbênias), dentre as quais 44% têm ocorrência na Amazônia brasileira – correspondendo a 189 espécies de cobras e 140 de lagartos.”

Anúncio