Bolsonaro diz que enviou R$ 18,5 bilhões para o Amazonas e culpa Wilson Lima pela falta de oxigênio

Bolsonaro enfatizou que enviou bilhões de reais para o Estado e que a responsabilidade de gerir a estrutura da saúde é de Lima e do secretário de saúde

Manaus – O presidente da república, Jair Bolsonaro disse que as mortes por falta de oxigênio em Manaus foi culpa do governador do Amazonas, Wilson Lima. Bolsonaro enfatizou que enviou bilhões de reais para o estado e que a responsabilidade de gerir a estrutura da saúde é de Lima e do secretário de saúde, Marcellus Campêlo. Na sua rede social, Bolsonaro compartilhou um vídeo com o resumo de tudo o que o governo federal enviou para o Amazonas entre benefícios, recursos, insumos e pessoas, o valor estimado foi de R$ 18,5 milhões. O Ministério da Saúde enviou cilindros e aviões com o oxigênio para minimizar a falta do gás nos hospitais da capital e do interior. Além disso, foram enviadas 256 mil vacinas contra a Covid-19 para o Amazonas e o Governo de São Paulo fez a doação de mais 50 mil doses. A vacinação contra o vírus vai iniciar nesta terça-feira (19) aos grupos prioritários, como profissionais da saúde, indígenas e idosos.

Responsabilidade

Nesta segunda-feira (18), o presidente Jair Bolsonaro concedeu entrevista na saída do Palácio da Alvorada em Brasília e foi questionado sobre a situação caótica de Manaus com a segunda onda da pandemia. “Tem um problema em Manaus, a gente lamenta as mortes por asfixia que foi por falta de oxigênio e culpam o Governo. Nós, destinamos bilhões para os estados e quem detecta a falta de medicamento ou a ausência próxima é o respectivo secretário de saúde estadual”, enfatizou.

Luta pelo Poder

Recentemente, grupos apontaram o Governo Federal como os culpados por não prestar apoio ou ter verificado a falta de oxigênio no Amazonas, sendo que de acordo com a decisão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ), a autonomia de gerir o recurso público e determinar as medidas de enfrentamento ao novo coronavírus, ficou na responsabilidade dos governadores e prefeitos de cada estado. Esses ataques orquestrados foram rebatidos por Bolsonaro. “Daqui a pouco vai faltar band-aid no Rio de Janeiro e vão querer me culpar. Mas, não tem problema não, a gente sabe que é luta pelo poder”, disse.

População

A declaração do presidente foi compartilhada na rede social do senador da república, Flávio Bolsonaro. Muitos internautas falaram sobre a responsabilidade do governador Wilson Lima por ter deixado faltar oxigênio. “É isso aí se secretário de saúde do estado é incompetente, a responsabilidade é do governador que o nomeou, e não o governo federal”, disse um internauta. “É verdade. Não houve planejamento, má gestão e por último, desvios de recursos, ninguém compra respiradores em adega de vinho”, comentou outra. “Imagine se o governo federal fosse analisar o estoque de cada hospital do país? É incrível a vontade de criticar”. “Que dia a Polícia Federal vai começar a prender os prefeitos e governadores que sumiram com o dinheiro que veio de Brasília?”, questionou outra.

Luto

O fatídico 14 de janeiro de 2021, dia em que acabou o estoque de oxigênio nos hospitais de Manaus, ficará para sempre marcado nas nossas memórias. Lamentavelmente, as mortes pelo vírus ainda não cessaram e o estado contabiliza mais de 6,3 mil mortes pela doença. Nas últimas 24h horas, foram registrados mais 1.790 novos casos, totalizando 232.434 casos confirmados de Covid-19. Segundo o boletim da Fundação de Vigilância em Saúde (FVS), há 1.766 pacientes internados.

Anúncio