Corrupção na saúde pode derrubar Wilson Lima a qualquer momento

PGR denunciou o governador por organização criminosa que também foi alvo de uma segunda denúncia por peculato devido ao fretamento irregular de aeronave para o transporte de respiradores

Manaus – Todos os dias denunciamos as atrocidades que o atual governo do Amazonas realizou em contratos e acordos nos últimos anos. Com a pandemia de Covid-19, veio também a oportunidade, e uma delas, foi investigada pela Polícia Federal na Operação Sangria. Nesta segunda-feira (26), a Procuradoria-Geral da República (PGR) denunciou ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), o governador Wilson Lima por organização criminosa que também foi alvo de uma segunda denúncia por peculato devido ao fretamento irregular de aeronave para o transporte de respiradores.

Ventiladores Pulmonares

No esquema criminoso, além do governador Wilson Lima, a PRG também denunciou o vice-governador Carlos Almeida, o secretário-chefe da Casa Civil, Flávio Antony Filho, o ex-secretário de Saúde Rodrigo Tobias, a ex-gerente de compras, Alcineide Figueiredo Pinheiro, a ex-subsecretária de atenção à saúde em Manaus, Dayana Priscila Mejia de Souza, o ex-secretário executivo de estado de Saúde, João Paulo Marques, o ex-secretário executivo adjunto do Fundo Estadual de Saúde, Perseverando da Trindade Garcia Filho, o engenheiro Ronald Gonçalo de Caldas Santos, o empresário Cristiano da Silva Cordeiro, o empresário e dono da FJAP & Cia Ltda (loja de vinhos), Fábio José Antunes Passos, a empresária Luciane Zuffo Vargas de Andrade, o empresário e marido da ex-secretária de comunicação do Governo, Luiz Carlos de Avelino Júnior, o empresário Guttemberg Leão de Alencar, a ex-secretária de saúde do estado, Simone Papais, o chefe da Casa Militar, o Tenente-Coronel Fabiano Machado Bó, o secretário executivo de saúde do interior, Cássio Roberto do Espirito Santo e Márcio de Souza Lima.

Pandemia

De acordo com a PGR, os 18 denunciados são suspeitos de terem cometido crimes na compra de 28 respiradores superfaturados para pacientes com Covid-19 em uma loja de vinhos no bairro Vieralves, em 2020. A denúncia enviada ao STJ é assinada pela subprocuradora-geral da República Lindôra Araújo, tendo como relator no STJ, o ministro Francisco Falcão.

Adulteração

A PGR ainda acusou o governador do Amazonas e um servidor do governo de atrapalhar as investigações por meio da adulteração de documentos. Na denúncia, a subprocuradora-geral Lindôra Araújo diz que sob o comando do governador, instalou-se “uma verdadeira organização criminosa que tinha por propósito a prática de crimes contra a Administração Pública, especialmente a partir do direcionamento de contratações de insumos para enfrentamento da pandemia, sendo certo que, em pelo menos uma aquisição, o intento se concretizou”.

Transporte

Uma segunda denúncia foi realizada pela PGR contra o governador Wilson Lima, o ex-secretário de saúde Rodrigo Tobias, o ex-secretário do interior Cássio Espírito Santo e o Tenente-Coronel da Casa Militar Fabiano Bó por peculato em proveito de duas empresas e seus sócios, devido ao fretamento irregular de aeronave para o transporte de respiradores. A PGR pede que os servidores percam seus cargos e sejam condenados, inclusive o governador, a pagar mais de R$ 191,8 mil por danos morais coletivos.