Delegado que concorreu à prefeitura de Manaus com apoio de Bolsonaro sofre perseguição do governo do Amazonas

Em entrevista exclusiva ao programa Amazonas Diário, o delegado Costa e Silva, falou sobre a perseguição sofrida pelo governo do Amazonas após as Eleições Municipais 2020

Manaus – Em entrevista exclusiva ao programa Amazonas Diário, o delegado Costa e Silva, falou sobre a perseguição sofrida pelo governo do Amazonas após as Eleições Municipais 2020. O profissional da segurança pública, concorreu como vice-prefeito de Coronel Menezes para Prefeitura de Manaus pelo Patriota e juntos receberam mais de 110 mil votos. O delegado sabendo de sua transferência da capital para o interior, sem justificativa plausível, entrou com um mandado de segurança contra a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM).

Eleição 2020

Os dois nomes apoiados pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro para a prefeitura de Manaus, foram, Coronel Menezes e o delegado Costa e Silva, ambos do Patriota e receberam 110.805 mil votos manauaras. No dia seguinte, após o primeiro turno das Eleições Municipais 2020, ao se apresentar para voltar ao trabalho na segurança pública, o delegado Costa e Silva soube que seria transferido da capital para atuar no interior do Estado. A justificativa foi porque ele concorreu nas eleições, então seria transferido para Lábrea.

Perseguição

Conversando com outros colegas da Segurança Pública, o delegado Costa e Silva descobriu que outros profissionais que também concorreram nessas eleições iriam permanecer na capital. “Depois de procurar respostas, conversar com colegas que também participaram das eleições descobri que apenas eu e um investigador que andou lado a lado na campanha, seríamos transferidos para Lábrea. Mas, sem nenhuma justificativa plausível, uma clara perseguição”, disse em entrevista.

Governador

Sofrendo perseguição do governo do Amazonas, o delegado entrou com um mandado de segurança contra a SSP-AM. “Eu tentei conversar e resolver essa situação de todas as maneiras. Se tivessem me chamado, justificado o porquê desta transferência, eu entenderia. Consegui inclusive o número do governador Wilson Lima, mandei mensagem para ele, expliquei toda a situação, ele estava online e sequer me respondeu”, explicou.

Justiça

Segundo o delegado, foi preciso entrar com um mandado de segurança para barrar a transferência. “Conversei com o meu advogado e resolvemos entrar com um mandado de segurança para que eu não seja transferido para Lábrea, reunimos diversas provas e argumentos que mostram uma clara perseguição. Segundo o regimento, eu poderia ficar até o final do segundo turno das eleições de licença, mas me apresentei no dia seguinte, em 16 de novembro para voltar ao trabalho e recebo essa notificação sem nenhuma justificativa”, disse o delegado Costa e Silva.

Efetivo

A capital amazonense também sofre com o baixo efetivo e horário suprimido de funcionamento das unidades policiais. De acordo com o delegado Costa e Silva, são apenas sete unidades que funcionam no horário noturno. “A capital também sofre com o baixo efetivo. Para se ter uma ideia, em Manaus apenas sete delegacias funcionam em horário noturno. São quatro especializadas e três Distritos Integrados de Polícia (DIP)”, falou.

Apresentador do programa AMAZONAS DIÁRIO*

Anúncio