Depois de respiradores em loja de vinhos, ‘cruzeta’ na aquisição de usinas de oxigênio

Segundo uma fonte anônima que procurou esta coluna, o edital pode ter sido criado para favorecer uma única empresa

Manaus – O Governo do Amazonas sempre está envolvido em polêmicas que já ganharam cenário nacional e mundial, principalmente com contratos viciados e suspeitos, como o caso das empresas investigadas e indiciadas pela CPI da Saúde que permanecem no hospital de campanha e, juntas vão faturar mais de R$ 3 milhões. A Polícia Federal ainda está na capital amazonense com a operação Sangria que investiga o esquema superfaturado de compra de respiradores pulmonares em uma loja de vinhos. Desta vez, após o colapso no sistema de saúde pela falta de oxigênio que matou dezenas de pessoas, o governo busca comprar aparelhos para produção do gás medicinal no Estado. Mas, qual equipamento e empresa contempla?

Oxigênio

No último sábado (30), o Governo do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) e o Centro de Serviços Compartilhados (CSC-AM), lançaram o chamamento público nº 009/2021 para contratar empresa que forneça equipamentos geradores de gases medicinais. As empresas interessadas teriam que comparecer até o dia 2 de fevereiro na sede da CSC. Segundo uma fonte anônima que procurou esta coluna, o edital pode ter sido criado para favorecer uma única empresa. “Poucos dias após a publicação, recebi a informação de que eles já teriam uma empresa do Rio de Janeiro que seria contemplada como ganhadora”, informou.

Equipamentos

Segundo o edital, são 20 unidades de gerador de oxigênio, divididos em quantidade de produção de metro cúbico de oxigênio medicinal, é de mais ou menos, 13 m³/h, 17 m³/h, 22 m³/h e 27 m³/h. De acordo com um técnico da área consultado, não existe mais ou menos nesse tipo de equipamento. “Ou você produz 27 m³/h ou 30 m³/h. O detalhe no edital, é que a empresa ganhadora deve entregar e instalar os equipamentos para que estejam em pleno funcionamento, em três dias, na sede da SES-AM. Qual a lógica de entregar e instalar os equipamentos na sede? Isso é incoerente”, explicou.

Durabilidade

Ainda segundo o técnico, o edital solicita concentradores tipo sistemas PSA de usinas de oxigênio, mas já existem equipamentos mais modernos e com maior durabilidade, como por exemplo o sistemas VSA. “Porque que vão comprar equipamentos com tecnologia ultrapassada, se o mercado oferece equipamentos com maior durabilidade e mais modernos que garantam para o Estado o funcionamento durante pelo menos 15 anos?”, questiona.

Inconsistência

De acordo com o denunciante, um dos funcionários da SES-AM preso na segunda fase da operação Sangria, teria auxiliado na elaboração deste edital. “O edital está cheio de inconsistências e fiquei sabendo que um engenheiro preso na operação Sangria pode ter ajudado na criação. Sugiro que seja solicitado a apreciação do Ministério Público quanto a elaboração deste edital, uma vez que abre brechas para várias interpretações”, ressaltou.

Ministério Público

A mania do Governo do Amazonas de gostar de quem tem um ‘pézinho’ na Justiça, ainda não parou. Segundo a denúncia, a empresa do Rio de Janeiro que está cotada para vencer o chamamento público é investigada no Ministério Público do Rio de Janeiro, inclusive por contratação por meio de licitação fraudulenta para fornecimento de gases medicinais e equipamentos. Apenas um dos sócios desta empresa responde a mais de dez processos.

*Jornalista e apresentador do AMAZONAS DIÁRIO

Anúncio