Dispensa de licitação e vida de luxo de gerente financeira chamam atenção no Instituto Dona Lindu

No Portal da Transparência do Amazonas é possível verificar diversas informações, como pagamentos para empresas por dispensa de licitação e também os salários dos servidores

Manaus – Diversos contratos por dispensa de licitação e a vida financeira de servidores do Instituto da Mulher Dona Lindu chamam atenção de funcionários, amigos e também de investigações. No Portal da Transparência do Amazonas é possível verificar diversas informações, como pagamentos para empresas por dispensa de licitação e também os salários dos servidores. Um contrato por dispensa de licitação para limpeza no Instituto Dona Lindu é R$ 50 mil mais caro que o realizado em uma unidade de saúde bem maior. Para onde está indo todo esse dinheiro?

Dispensa de Licitação

O Instituto da Mulher Dona Lindu possui alguns contratos por meio de dispensa de licitação, entre eles, com a empresa D Avelino Bezerra Eireli, CNPJ: 34.804.149-0001-45, que presta serviço administrativo por R$ 89,1 mil por mês. Nos 180 dias de contrato, a empresa vai receber mais de R$ 534,6 mil. A empresa FK Gestão Empresarial Eireli , CNPJ: 10.676.190-0001-15, também foi contratada por dispensa para prestação de serviços de higienização, limpeza e desinfecção hospitalar no valor de R$ 394,6 mil por mês. Em seis meses, a empresa receberá R$ 2,3 milhões.

Limpeza

Analisando contratos de higienização, limpeza e desinfecção hospitalar, o Instituto da Mulher Dona Lindu está pagando R$ 50 mil a mais por mês no contrato para serviços de limpeza da unidade de saúde que é bem menor que o Hospital e Pronto-Socorro Francisca Mendes, por exemplo. Em uma conta rápida, em seis meses, os gastos de limpeza do Institudo Dona Lindu é R$ 300 mil mais caro, do que o contrato firmado no Hospital Francisca Mendes.

Pagamento

A empresa Laboratório Reunidos da Amazônia S/A que prestou serviços laboratoriais para o Instituto da Mulher Dona Lindu ingressou com Pedido de Medida Cautelar no Tribunal de Contas do Estados do Amazonas (TCE-AM) contra o Instituto da Mulher Dona Lindu, em razão de possíveis irregularidades em nova contratação de empresa para prestar os mesmo serviços na unidade. Segundo informações, o Governo do Amazonas deve R$ 9 milhões ao Laboratório Reunidos. No pedido é indicado que a contratação da nova empresa a ‘substituir’, possuí uma procedência duvidosa, não sendo credenciada pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

“Alegação de duvidosa idoneidade de empresa incluída na fase de pesquisa de mercado, asseveram que houve a devida motivação da escolha da empresa Laboanálise, cuja razão social é Btecnology Laboratórios Clínicos Eireli, conforme visto às fls. 215; e também que o referido laboratório foi visitado in loco pela Gerente Administrativa e Financeira, Sra. Rosiene Bentes Lobo, conforme fotos, que podem ser vistas (…) momento em que o IMDL não encontrou qualquer indício de inidoneidade por parte da empresa contratada”, diz.

Salário

No Portal da Transparência do Amazonas consta que a Gerente Administrativa e Financeira, Sra. Rosiene Bentes Lobo, recebe R$ 4 mil bruto por mês, sendo R$ 3,5 mil líquido. Mas, segundo fonte anônima, a vida de luxo da gerente chama atenção, festas de aniversário com duração de três dias, estimada em R$ 40 mil. Rose Lobo, dirige uma Mercedes Benz 2018 com preço aproximado de R$ 140 mil. O carro está no nome de sua mãe, assim como a micro empresa, Castro Restaurantes e Festas Ltda que possui capital social de R$ 10 mil. Ainda segundo informações, familiares da gerente trabalham em funções estratégicas dentro da unidade de saúde.

*Apresentador do programa AMAZONAS DIÁRIO

Anúncio
Anúncio