Empresa denunciada pelo AMAZONAS DIÁRIO é impedida de prestar serviço para o Governo

Em agosto do ano passado, em plena pandemia de Covid-19, denunciamos a utilização de atestado falso para ganhar licitação no interior

Manaus – Esta coluna vem denunciando todos os dias, os milhares de contratos suspeitos que são realizados pelo Governo do Amazonas, principalmente na área da saúde pública. Em agosto do ano passado, em plena pandemia de Covid-19, denunciamos a utilização de atestado falso para ganhar licitação no interior e também na capital, além do montante assustador que a empresa já recebeu em contrato. Após um ano da denúncia e a instalação de sindicância para a investigação, a empresa que recebe quase R$ 1 milhão por mês do Governo, foi proibida de participar de procedimentos ou assinar com a administração pública pelo período de dois anos.

Saúde

Há tempos, estamos denunciando contratos e valores ganhos pelas empresas Líder Serviços de Apoio a Gestão de Saúde Ltda e a atual Prime Atividades de Apoio à Gestão de Saúde Ltda. As duas, chegaram a possuir os mesmos sócios, Sérgio Chalub e Rafael Silveira, ambos convocados na CPI da Saúde da Assembleia Legislativa do Estado (ALE-AM) para explicar sobre os serviços prestados durante a pandemia. Atualmente, a Líder é apenas de Sérgio e a Prime de Rafael.

Atestado

Em meados de julho do ano passado, esta coluna entrou em contato com a Prefeitura de Itacoatiara para questionar sobre o atestado falso apresentado pela empresa de Chalub e Rafael, na época, para ganhar uma licitação de R$ 2 milhões. O Atestado de Aptidão utilizado pela Petro Serviços (atual Prime) foi assinado em setembro de 2015 pelo prefeito Antônio Peixoto, mas quem estava como prefeito na época, era Mamoud Amed Filho. Em nota, o gabinete da Prefeitura de Itacoatiara informou que “não reconhece como legítimo o atestado de aptidão técnica apresentado pela empresa”. As empresas do empresário Sérgio Chalub faturaram de 2016 a 2020 mais de R$ 30 milhões em contratos na área da saúde com o Governo do Amazonas.

Punição

No Diário Oficial do Estado do Amazonas (DOE-AM), foi publicado no último dia 30 de julho, a punição da sindicância instaurada para apurar a legalidade dos documentos apresentados pela empresa Petro Serviços (atual Prime). “Aplicar a sanção administrativa de impedimento de licitar e contratar com Administração Pública Estadual, abrangendo todos os órgãos e entidades da Administração Pública Estadual Direta e Indireta, inclusive Fundação, pelo período de dois anos”, diz a decisão. Entramos em contato com o proprietário, Rafael Silveira, que preferiu não se pronunciar no momento.

Prime Serviços

Em um levantamento realizado, constatamos que atualmente a empresa Prime Serviços está presente em sete instituições, no Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, na Maternidade Balbina Mestrinho, no Hospital Geral Dr. Geraldo da Rocha, no Hospital Chapot Prevost, na Fundação Hospital do Coração – Francisca Mendes, no Instituto de Saúde da Criança do Amazonas e no Serviço de Pronto-Atendimento e Hospital Dr. Aristoteles Platão Bezerra. Os serviços são de apoio administrativo, portaria, maqueiro, vigilância, lavanderia, conservação e limpeza, atendimento, entre outros. Com esses contratos, a empresa fatura quase R$ 1 milhão mensal do Governo do Amazonas.

Anúncio