Governador Wilson Lima persegue até seu vice, Carlos Almeida

“É perseguição política do governador que está com medo do STJ porque corre o perigo de ser afastado a qualquer momento”, dizem servidores

Manaus – O descaso do governador Wilson Lima com a saúde pública, segurança e educação, beira a perseguição com o povo do Amazonas, mas isso todo mundo já sabe. Desta vez, o governador resolveu atacar dentro da própria sede do governo, perseguindo até o vice-governador Carlos Almeida. Wilson, exonerou alguns secretários da vice-governadoria e remanejou cargos para a Casa Civil. Servidores afirmam “é perseguição política do governador que está com medo do Superior Tribunal de Justiça (STJ) porque ele corre o perigo de ser afastado a qualquer momento”, relatou.

Desejo do governador

Em reviravolta, Wilson Lima conseguiu suspender a decisão do desembargador do TJAM e manter sua vontade: ter todos os servidores para si, na Casa Civil. “O governador está em perseguição política contra o vice governador Carlos Almeida que, quando era secretário chefe da Casa Civil, viu muitas coisas erradas vindo do governador e dos deputados na época da pandemia de Covid-19 e, por não compactuar, pediu exoneração. Desde então começou uma perseguição política”, disse o servidor que pediu anonimato.

Casa da mãe Joana

Com a transferência, dois secretários gerais com salário de R$ 23 mil ocupam a Casa Civil, deixando a vice-governadoria sem ordenador. “Tirando o secretário geral, não é possível assinar nenhum documento. O secretário da pasta, Miltinho Castro da Silva – amigo do governador – remanejou o cargo dele para a Casa Civil e tirou nove cargos que são parentes que nunca pisaram na vice-governadoria para a Casa Civil, deixando a secretaria praticamente sem funcionários. A liminar do vice Carlos Almeida pede os cargos de volta porque isso está prejudicando o trabalho dele e dos servidores, sem os cargos não tem como dar andamento nos processos”, explica.

Vice-governadoria

De acordo com o servidor, devido a briga pelo poder, a transferência deixará os servidores sem receber. “Tivemos que entrar na Procuradoria Geral do Estado (PGE) e estamos no aguardo. Devido à perseguição política, o governador está prejudicando o vice e seus funcionários. Agora, em uma secretaria tem dois secretários gerais e isso não pode (acontecer). Tá uma bagunça! Enfim, é isso. Não sei o que fazer, nem a quem pedir ajuda, acredito ainda que algum deputado possa nos ajudar e colocar o Wilson no seu devido lugar”, relatou.

Perseguição de Wilson

Os bastidores políticos estas agitados desde o início do ano com o grande volume de contratos e recursos destinados para a pandemia de Covid-19. Com a descoberta de irregularidades em diversos setores, todo e qualquer indivíduo que se opor ao governo está sendo perseguido. Como colunista e apresentador do ‘Amazonas Diário’ denuncio diversos esquemas criminosos e, como represálias pela minha atuação, sofri um atentado contra a minha vida em 21 de julho. O tenente-coronel Ubirajara Roses que denuncia as falcatruas do governo também está sofrendo perseguição e correndo o risco de ser expulso. Profissionais da saúde relatam à esta coluna serem ameaçados, diariamente, se “alguma informação vazar”. Infelizmente, esse é o clima da atuação gestão: calar a oposição.

*Apresentador do Programa Amazonas Diário

Anúncio