Governador Wilson Lima, você vai deixar o Junio morrer com R$ 716,5 milhões em caixa?

Essa coluna é dedicada a nomes e histórias reais que sofrem com o descaso da saúde pública, mesmo com a liberação de R$ 716 milhões pelo Fundo Nacional de Saúde

ARTIGO ALEX

Manaus – Essa coluna é dedicada a nomes e histórias reais que sofrem com o descaso da saúde pública, mesmo com a liberação de R$ 716 milhões pelo Fundo Nacional de Saúde. Não são apenas nomes, são famílias e vidas importantes que se sentem desamparadas pelo governo do Amazonas. Junio está com câncer na cabeça e aguarda há mais de três meses por uma cirurgia. Catiane faleceu depois de ficar um ano e três meses internada aguardando cirurgia para o câncer de mama.

R$ 716 milhões para saúde

De janeiro a início de maio, o Amazonas recebeu R$ 716,5 milhões do Fundo Nacional da Saúde (FNS). Os recursos foram destinados para a capital e interior do estado, cerca de R$ 261,7 milhões para ações ambulatoriais e hospitalares; R$ 213,6 milhões para o combate à Covid-19 e R$ 195,2 milhões para atenção básica.

Câncer de Mama

Depois de ser diagnosticada com câncer de mama, Catiane Felix de 41 anos, estava há mais de um ano e três meses internada na Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon). A família inconformada com a demora do hospital, denunciou o caso para o ‘Amazonas Diário’ que conversou com Sidney Rabelo, irmão da paciente. “Após um ano, ela está definhando em um leito no FCecon. A situação é muito grave”, disse. “Eu não posso entrar, não posso ver ela, está sendo muito difícil a situação”, desabafou a filha de Catiane.

Sem respostas

A família tentou ajuda, mas acabou recebendo um golpe, Catiane que estava na luta pela vida, acabou perdendo e faleceu internada no hospital público, no final de agosto. “Minha irmã acabou de falecer. É com muito pesar que eu falo isso, queria poder avisar que ela estava saindo do hospital bem e com vida, mas lamentavelmente estou comunicando a perca da minha irmã”, relatou emocionado o irmão.

Dores de cabeça

Após sentir muitas dores na cabeça e sangrar pelo nariz, Junio Figueiredo de 35 anos, foi diagnosticado com câncer na cabeça. A família denunciou, pois Junio estava há dias aguardando exames no Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio. “Tá crítico, ele não quer tomar banho ou comer, nem receber o remédio”, disse a mãe.

Acompanhamento dos casos

Conversamos dias depois com a família que estava tentando uma transferência para o FCecon mas por falta de um equipamento que é essencial para realizar a cirurgia não será possível. “A ouvidoria disse que não tem nem previsão de chegar na unidade. O nome dele está na lista para um leito no Hospital Getúlio Vargas, porque no Hospital João Lúcio eles não podem fazer nada. Lá ele só toma remédio para pressão, soro e dipirona quando a dor de cabeça dele dói muito. Mas, ele precisa muito da cirurgia”, relatou a esposa de Junio.

Abandono do governo

A família de Junio clama por respostas do governo do Amazonas. “Eu queria que o governador olhasse para o meu marido como se ele tivesse olhando para um parente dele. Porque eu tenho certeza que ele jamais deixaria assim, abandonado”, disse emocionada a esposa.

*Apresentador do Programa Amazonas Diário

Anúncio