Governo do AM gastou milhões com reforma superfaturada de hospital que ficou sem energia

Ano passado, o governador autorizou a reforma do hospital por quase R$ 16 milhões, apesar do recurso investido, a unidade não possui gerador de energia

Em tempos de preparativos para as eleições, existem muitas “promessas” sendo lançadas como a reforma e reestruturação da AM-010 ou o concurso público para as polícias civil e militar. Enquanto fotos e vídeos são feitos e lançados nas redes sociais para receber aplausos, pacientes e seus familiares sofrem com o descanso na saúde pública do Amazonas. Um registro mostra pessoas entubadas no escuro porque acabou a energia do maior hospital da zona leste de Manaus que segundo levantamento, recebeu mais de R$ 47 milhões do Governo do Amazonas apenas neste ano. Ano passado, o governador autorizou a reforma do hospital por quase R$ 16 milhões, apesar do recurso investido, a unidade não possui gerador de energia.

Apagão no hospital

Na manhã desta segunda-feira (23), pacientes e familiares filmaram o apagão que ocorreu no Hospital e Pronto-Socorro Dr. João Lúcio Pereira Machado, localizado no bairro Coroado, na zona Leste de Manaus. De acordo com as imagens divulgadas pelos pacientes e familiares, o hospital que não possui gerador, ficou sem energia elétrica por mais de uma hora.

Sem gerador

No vídeo que mostra o corredor do Hospital João Lúcio totalmente no escuro, um homem relata que corria o risco dos aparelhos desligarem. “As enfermeiras pediram para ligar o gerador, mas acabaram de ser informadas que não tem gerador aqui no hospital. Na frente (mostrando na imagem) tem duas salas de Centro de Terapia Intensivo (CTI) e Unidade de Terapia Intensiva (UTI) com diversos de pacientes entubados com aparelhos que estão sendo sustentados por nobreak”, explicou.

Gastos do Governo

De acordo com levantamento realizado por esta coluna nos contratos firmados pelo Governo do Amazonas por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) com o Hospital e Pronto-Socorro Dr. João Lúcio Pereira Machado, constatamos que apenas neste ano, foram autorizados mais de R$ 47,6 milhões em gastos. Deste montante, R$ 45,2 milhões empenhados, R$ 39,1 milhões liquidados e R$ 38,4 milhões pagos. Mesmo com toda essa quantidade de dinheiro público gasto, a unidade de saúde não dispõe de um gerador de energia. Será que não tem como comprar e garantir a segurança necessária para a população que utiliza os serviços da unidade?

Reforma do hospital

No ano passado, o governador do Amazonas autorizou a reforma do Hospital João Lúcio por meio do Contrato nº 019/2020 da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) firmado com a empresa RR Construções e Transportes para obras e serviços de engenharia para recuperar a infraestrutura do complexo de saúde pelo valor de R$ 15,4 milhões pago em sua totalidade. O serviço foi alvo de denúncias pela suspeita de superfaturamento, principalmente na compra dos aparelhos de ar condicionado e estação de tratamento de esgoto, acima do valor de mercado. Na época, uma denúncia foi protocolada no Ministério Público do Estado (MPE) e Tribunal de Contas do Estado (TCE) pelo deputado Dermilson Chagas.

*Apresentador do programa AMAZONAS DIÁRIO

Anúncio