Incompetência do governo: sem medicação, leitos, maca e oxigenação, profissionais relatam o caos na saúde

Relatos de profissionais da saúde pública expõem a ‘maquiagem’ do governo de Wilson Lima sobre os leitos para tratamento de pacientes com Covid-19 nas unidades de saúde do Estado

Manaus – Desespero. Relatos de profissionais da saúde pública expõem a ‘maquiagem’ do governo de Wilson Lima sobre os leitos para tratamento de pacientes com Covid-19 nas unidades de saúde do Amazonas. A denúncia anônima revela o caos que está instalado na saúde pública do Amazonas com a chegada da segunda onda da pandemia de Covid-19, sem medicamentos, equipamentos ou leitos necessários. São amazonenses que ficarão sem atendimento médico.

Maquiagem

Segundo o relato do profissional da saúde que pediu para não ser identificado, os leitos de tratamento para pacientes infectados com o novo coronavírus (Covid-19) não estão funcionando no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV). “Não tem nenhum leito funcionando do que foi prometido. O governador Wilson Lima só foi tirar foto e fazer vídeo”, relatou.

Mãos atadas

Em meio às lágrimas, quase sem conseguir falar, uma profissional da saúde relatou que não sabe mais o que fazer para tentar salvar vidas. “Eu não sei o que eu faço. Eu tenho a minha família também… o Jesus, a gente só tem que orar, meu Deus, eu não sei mais o que eu faço, estou desesperada”, disse em uma mensagem.

Colapso na saúde

Já são muitos relatos de amazonenses que não conseguem ser atendidos nas unidades de saúde e são mandados para casa. “Chegou um paciente aqui no Hospital Universitário Getúlio Vargas (HUGV), de 47 anos anos. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) teve que devolver ele para casa porque não tinha mais leito disponível. A oxigenação dele estava em 76”, descreveu um profissional da saúde que pediu ajuda.

Mais leitos

Por causa das longas filas de espera de pacientes por internação, a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) ingressou com Ação Civil Pública para obrigar o Governo do Amazonas a requisitar administrativamente 150 leitos clínicos e 26 leitos de UTI mantidos pelo Hospital Nilton Lins, já que a unidade não aderiu ao edital de credenciamento para receber valores pré-definidos pelo SUS e apresentou à Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM), uma proposta cobrando o triplo. Aonde vamos parar?

Longa espera

Segundo o DPE-AM, no último domingo (3), cerca de 166 pacientes aguardavam por internação no Amazonas, desses 26 necessitando de Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Nesta quarta-feira (6), o número subiu para 279, sendo que 62 precisam de UTI.

Fiscalização

Buscando fiscalizar o plano estadual e municipal de combate ao Covid-19, o Ministério Público do Amazonas (MP-AM) instituiu nesta quarta-feira (6) um grupo de trabalho para acompanhar e também, articular as medidas em resposta às demandas relacionadas à emergência de saúde pública. Todas as decisões serão informadas nas redes sociais.

*Apresentador do programa AMAZONAS DIÁRIO