Jovem se joga em frente ao carro do governador para pedir ajuda e é ignorada; irmão morreu de Covid-19

A família Assayag chora por um familiar que perdeu a vida para o desgoverno

Manaus – Implorando por uma vida ao governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), uma jovem chegou a se jogar em frente ao carro de Lima, a jovem implorou por ajuda para salvar a vida do irmão que estava infectado pelo novo coronavírus, mas, infelizmente, o governo de Wilson Lima não atendeu ao seu apelo e a jovem não conseguiu vaga em nenhum hospital de Manaus. Hoje, a família Assayag chora por um familiar que perdeu a vida para o desgoverno. Desde o primeiro caso confirmado de Covid-19, já são 10 meses em que o Estado enfrenta a pandemia do novo coronavírus e mesmo assim, as ações de enfrentamento ao vírus são questionáveis.

Luta por um leito

Na batalha há dias por um leito de tratamento para o irmão, Raquel Assayag que está grávida e conseguiu arrecadar balão de oxigênio e lutava para internar o irmão de 31 anos. “Ele estava estável no sábado e domingo, mais estava cansado e precisava de oxigênio. Como não conseguimos UTI aqui em Manaus, estávamos tentando transferir ele para outro Estado, mas a saturação dele não estava estabilizando de segunda para terça para ele ser transferido. Mesmo assim, ainda não tinha leito e buscamos de todas as formas”, disse a irmã.

Sem tratamento

Na corrida contra o tempo, a irmã tentava de todas as maneiras conseguir salvar a vida de Ricardo Assayag, porque sabia que o tempo estava acabando. O irmão estava recebendo atendimento no SPA Danilo Corrêa. “Terça a tarde ele passou muito mal por volta das 13h e desceu da enfermaria feminina ao qual estava para emergência. Passou a madrugada de terça para quarta mal, não defecou desde que havia dado entrada e na quarta de madrugada chegou com 73 de saturação. Ele faleceu às 11h30 de quarta”, relatou a irmã.

Desgoverno no Amazonas

Segundo a família, tentaram de todas as maneiras buscar ajuda para Ricardo. “De madrugada ele veio regredindo muito e surgiu a oportunidade de tentarmos transferir ele para o Hospital e Pronto-Socorro João Lúcio, porque amanhecemos a quarta-feira lá na frente e como minha mãe é funcionária aposentada da saúde, nós tentávamos algum leito, que alguém que ajudasse de alguma forma, só que infelizmente estava lotado, apesar de ser conhecido como gigante da Zona Leste, é extremamente sucateado. Não conseguimos UTI, apenas a sala rosa que foi adaptada no politrauma do João Lúcio que foi criada sem nenhum tipo de programação, totalmente emergencial, talvez feito pelos próprios funcionários, não sei”, disse.

Cadê o governador?

Tentando de todas as formas salvar a vida do irmão, Raquel foi para a inauguração de uma unidade de saúde e encontrou o governador Wilson Lima. Desesperada, se jogou na frente do carro de Lima e implorou por um leito de tratamento. “Eu não tinha mais opções na minha cabeça. Fui de hospital em hospital, sabia que ia demorar e meu irmão não podia esperar. Como eu sabia que estava inaugurando o hospital militar, fui lá e vi quando Wilson Lima saiu. Sabia que com uma ordem dele, o meu irmão seria atendido de alguma forma, num momento de desespero fui para frente do carro dele, chorei implorando por um leito e ele me deu a certeza de que iria me ajudar, passou o número da assessora e nada aconteceu, apesar de eu ter conversado com a assistente social. Foi um total descaso”, relatou.