Médicos estão com salários atrasados há quatro meses e a traumato-ortopedia parou por falta de pagamento

Nesta quarta-feira (7), agentes de portaria da Maternidade Nazira Daou realizaram manifestação já que estão sem receber há mais de cinco meses

Manaus – Mais uma vez, a desorganização do governo do Amazonas prejudica a saúde da população. No final de semana, recebemos a denúncia de um manauara que relatou a real situação dos profissionais de saúde pública no Amazonas. No dia 2 de outubro, o Instituto Traumato-Ortopedia do Amazonas (Itoam) disparou um comunicado de paralisação, o motivo? Falta de pagamento aos profissionais. Mas, como político só funciona sob pressão, após os braços cruzados, o governo do Amazonas realizou o pagamento do mês de julho que era reivindicado pelos profissionais da saúde. Nesta quarta-feira (7), os agentes de portaria da Maternidade Nazira Daou realizaram manifestação já que estão sem receber há mais de cinco meses.

Manisfestações

Atualmente, é comum ver profissionais que prestam serviços para a saúde pública do Amazonas promoverem manifestações, greves e paralisações. São diversos profissionais que reivindicam seus salários após trabalharem dia após dia, turnos após turnos e não recebem o seu salário, aquilo que foi acordado em contrato. São vigilantes, agente de portaria, enfermeiros, maqueiros, médicos e profissionais da saúde em geral, que precisam ir para as ruas, precisam cruzar os braços para cobrar o governo de Wilson Lima a arcar com sua obrigação. Pagar os salários!

Médicos

Na última sexta-feira (2), os profissionais do Instituto Traumato-Ortopedia do Amazonas (Itoam) publicaram um comunicado informando a restrição dos serviços por falta de pagamento do governo. “Os serviços eletivos e de urgência e emergência ortopédicas nos hospitais públicos do Amazonas estão restritos aos casos de risco real e iminente de morte ou perda de membro. Os atendimentos serão normalizados imediatamente após a prestação de contrapartida do governo estadual pagando a fatura do mês trabalhado em julho/2020”, diz o documento.

Pressão

Um profissional falou com exclusividade para esta coluna e informou a situação precária da saúde pública. “No Itoam, os profissionais pararam por falta de pagamento, lá tem um monte de pessoas precisando de cirurgias e por causa da falta de pagamento, foi tudo cancelada, eles não vão trabalhar sem pagamento. Mas, não é só isso não, tem várias outras empresas de enfermagem, saúde, sem receber há 4 meses, e para onde vai o dinheiro destinado para esses pagamentos? Agora, o engraçado é que as empresas do esquema, como a Segeam, venceu o dia e o pagamento tá na conta”, relatou a fonte confidencial. Após pressão dos profissionais, o governo do Amazonas realizou o pagamento referente ao mês de julho.

Sem salários

Mesmo se arriscando durante a pandemia em Manaus, os agentes de portaria da Maternidade Nazira Daou, que fica ao lado do Hospital Francisca Mendes, estão reivindicando seus salários. Eles estão cruzando os braços já que não recebem há mais de cinco meses, segundo relatou o supervisor da empresa Apoio Serviços. “A administração é muito péssima e isso é a verdade, está complicado, é uma enrolação. Os funcionários têm suas responsabilidades, pensão alimentícia, aluguel, água e luz, e precisam pagar suas contas”, falou.

Anúncio