Ministro do STJ prorroga prisão de envolvidos na Operação Sangria e acende luz vermelha da cúpula do governo

Contradições em depoimentos e necessidade de aprofundar investigações levaram a Polícia Federal (PF) a pedir prorrogação das prisões de cinco presos

Manaus – Não era novidade que a Operação Sangria iria ter desdobramento em Manaus. A 2ª fase das investigações pegou de surpresa amigos próximos do governador Wilson Lima (PSC) como é especificado no pedido do Ministério Público Federal (MPF), atendido pelo ministro do Superior Tribunal Justiça (STJ) Francisco Falcão. Contradições em depoimentos e necessidade de aprofundar investigações levaram a Polícia Federal (PF) a pedir prorrogação das prisões de cinco presos. Essa decisão, acendeu a luz vermelha na cúpula do governo do Estado. Este tempo a mais de prisão será essencial para que os agentes federais desvendem a ‘caixa preta’ da saúde no Amazonas e uma 3ª fase das investigações é aguardada.

2ª fase da Operação Sangria

O Ministério Público Federal e a Polícia Federal investiga a compra superfaturada de 28 ventiladores pulmonares pelo Governo do Amazonas durante a pandemia do novo coronavírus em uma loja de vinhos, Vinheria Adega, por R$ 2,9 milhões. Todos os tramites, ligações e articulações do grupo criminoso estão sendo desvendados. A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) confirmou a prorrogação por mais cinco dias de prisão temporária de Rodrigo Tobias de Souza Lima, Dayana Priscila Mejia de Sousa, Ronaldo Gonçalo Caldas Santos, Luiz Carlos Avelino Junior e Gutemberg Leão Alencar.

Saúde do Amazonas

Rodrigo Tobias é ex-secretário de saúde, é apontado como conhecedor de todo o esquema fraudulento para aquisição dos ventiladores, inclusive, tinha conhecimento da irregularidade do processo licitatório e do superfaturamento dos equipamentos. Dayana Mejia é ex-subsecretária de atenção à saúde em Manaus, fez tratativas diretas com uma das sócias da empresa Sonoar, solicitando informações sobre os ventiladores e ajustando o quantitativo que seria adquirido pela SES-AM. Ronald Santos é engenheiro clínico da saúde e teve participação importante na aquisição dos equipamentos superfaturados, negociando com a Sonoar e tinha conhecimento dos valores super altos.

Amigo do governador

Indicado pelo governador Wilson Lima para articular a compra dos ventiladores pulmonar, Guttemberg Alencar, é ex-policial militar e apontado pela imprensa como o coordenador de campanha no interior do governador. A Procuradoria Geral da República (PRG) informa que Alencar foi enviado por Wilson, como afirmado por Alcineide Figueiredo, ex-secretária de compras, presa na primeira fase da operação. Alencar foi responsável por repassar a secretaria de saúde o contato de Fábio Passos, dono da Vinheria Adega que vendeu os respiradores ao estado.

Relação próxima

O marido da Daniella Assayag, ex-secretária de comunicação do governo e amiga de longa data do governador, Luiz Avelino, é sócio oculto da Sonoar desde dezembro de 2019. A empresa vendeu os respiradores para a loja de vinhos revender ao governo do Amazonas. Faturando mais de R$ 1,4 milhão, com parte do lucro comprou um lote de 10 mil testes rápidos para covid-19 que possivelmente seria revendido ao governo do Estado.

Anúncio