PF confirma que jornalismo investigativo coloca acusados de corrupção na cadeia

Nos últimos 12 meses, o jornalismo independente do Grupo Diário de Comunicação vêm expondo os maiores escândalos em contratos, negociações, parcerias e articulações políticas

A deflagração da Operação Sangria pela Polícia Federal confirma as denúncias realizadas por esta coluna e pelo programa Amazonas Diário. Nos últimos 12 meses, o jornalismo independente do Grupo Diário de Comunicação vêm expondo os maiores escândalos em contratos, negociações, parcerias e articulações políticas. Mesmo sob ameaças e inclusive, atentado contra a vida, nós permanecemos lutando para levar a informação com credibilidade para os amazonenses, tirando toda a poeira debaixo do tapete.

Operação

Na manhã desta quarta-feira (02), foi deflagrada a 4ª fase da Operação Sangria que investiga a compra superfaturada de ventiladores pulmonares realizadas pelo Governo do Amazonas em uma loja de vinhos. A Polícia Federal prendeu nesta fase, os principais envolvidos em contratos na saúde pública denunciados diversas vezes nesta coluna, foram presos: o secretário de saúde, Marcellus Campêlo; o proprietário da empresa Líder Serviços Médicos, Sérgio Chalub; o proprietário da empresa Prime Serviço, Rafael Garcia da Silveira; o proprietário da empresa Norte Serviços Médicos, Frank Andrey Gomes de Abreu, o procurador da empresa, Carlos Henrique Alecrim Jhon e o empresário Nilton Costa Lins Júnior.

Denúncia

Desde o início do programa Amazonas Diário, estamos denunciando os contratos realizados pela Líder Serviços Médicos que lucrou mais de R$ 17 milhões em processos licitatórios com o Governo do Amazonas. O seu ex-sócio, proprietário da Prime, Rafael Silveira, foi denunciado por esta coluna, no último dia 18 de maio, por faturar mais de R$ 3 milhões por meio de dispensa de licitação para prestação de serviços no Hospital Francisca Mendes. Fomos os primeiros a denunciar que o Atestado de Aptidão Técnica utilizado pela Líder Serviços (na época tinha os dois empresários como sócios), para ganhar o Pregão Eletrônico nº 566/2018, no valor de R$ 2,2 milhões em Itacoatiara, era falso. Uma nota oficial da Prefeitura confirma a ilegalidade da assinatura do prefeito na época.

Lavanderia

Em julho do ano passado, fomos os primeiros a denunciar com vídeos, fotos e depoimento do comerciante que o endereço fornecido pelo procurador da Norte Serviços Médicos, Carlos Henrique, onde deveria funcionar a lavanderia responsável pela rouparia do Hospital de Campanha Nilton Lins, na verdade, funcionava uma oficina mecânica há mais de 10 anos. O proprietário da empresa, é Frank Andrey Gomes de Abreu. Em nota de pagamento, a Norte Serviços informou que lavou 4 toneladas de roupa do hospital em um único dia com apenas quatro pacientes internados.

Aluguel

Na época, a contratação do aluguel da estrutura do Hospital Nilton Lins, como hospital de campanha chamou atenção de todos pelo elevado custo mensal. Nesta deflagração da Operação Sangria, as investigações do Ministério Público Federal identificaram que apesar do Governo do Amazonas ter contratado a Norte Serviços Médicos para realizar a limpeza no hospital (com suspeita de superfaturamento), os serviços foram prestados pela Sistema de Saúde Integrado da Amazônia (Sisam), de propriedade da família Nilton Lins.

*Apresentador do programa Amazonas Diário

Anúncio