Senador questiona se existe blindagem por não ser agendado o depoimento do governador do AM na CPI da Covid

Nos bastidores políticos, sopra a informação que Wilson Lima está com as orelhas em pé

Manaus – A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid no Senado Federal continua com os trabalhos de investigação e levantamentos dos gastos públicos realizados durante a pandemia. Na última sessão, um senador cobrou a convocação do governador do Amazonas, Wilson Lima, para depor na CPI sobre as irregularidades na utilização dos repasses federais para o combate ao vírus. Nos bastidores políticos, sopra a informação que Lima está com as orelhas em pé, já que a instalação da CPI surgiu após a crise da falta de oxigênio nas unidades de saúde que matou dezenas de pacientes no Estado.

Convocação

Nesta quarta-feira (12), o vice-líder do governo do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, Senador Marcos Rogério questionou na rede social Twitter, se há “blindagem” do governador do Amazonas na CPI da Covid ao solicitar com prioridade a convocação do gestor. “Há fortes indícios de fraudes no governo do Amazonas. Pergunto, quando serão convocadas as autoridades estaduais? Ou teremos blindagem? Os requerimentos estão aprovados!”, escreveu.

CPI

O Senador Marcos Rogério, cobrou a convocação das autoridades estaduais a respeito das irregularidades na utilização dos repasses federais para o combate da Covid-19 no Amazonas. Para o Senador, a CPI precisa marcar data e hora para votar o requerimento de convocação para o depoimento na comissão do governador do Amazonas, Wilson Lima.

Presença

Segundo o discurso, o Senador Marcos Rogério ressaltou que o governador Wilson Lima foi denunciado ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), sendo alvo de busca e apreensão na Operação Sangria da Polícia Federal (PF) e que teve pedido de prisão (negado pelo ministro Francisco Falcão) e também, pedido de afastamento do cargo pela Procuradoria-Geral da República (PGR), no ano passado. “Esse governador tem pedido de afastamento do cargo. A situação, portanto, é gravíssima. Eu queria fazer um apelo a vossa excelência que declinasse aos membros dessa CPI em que momento nós vamos colocar para votação o requerimento de convocação do governador do estado do Amazonas”, disse.

Investigações

A Polícia Federal realizou 51 operações em 18 Estados brasileiros, até outubro do ano passado, investigando as prefeituras e os governos estaduais. Na deflagração da Operação Sangria, vários servidores do governo e empresários foram presos, destacando a prisão da gestora, na época, da Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (SES-AM), Simone Papaiz e o antecessor da pasta, o ex-secretário Rodrigo Tobias. “Há suspeita de superfaturamento na aquisição de insumos para prevenção de combate à pandemia, fraude nas compras de respiradores, superfaturamento em contratos de compras de máscaras, dentre outros”, disse o senador.

Depoimentos

A CPI da Covid aprovou no dia 5 de maio, o requerimento de convocação do atual secretário da SES-AM, Marcellus Campêlo. O presidente da CPI, Senador Omar Aziz, justificou que o requerimento de convocação do governador do Amazonas deve ser votado após o depoimento do secretário de saúde, previsto para início de junho.

Anúncio