Só o STJ pode salvar o Amazonas da corrupção de Wilson Lima

Simeam pode acionar o Supremo após relator da Comissão Especial, deputado Dr. Gomes, entregar o parecer que pede o arquivamento do processo de impeachment

Manaus – Bastidores políticos apontam que o impeachment do governador Wilson Lima já foi resolvido pela base governista da Assembleia Legislativa do Estado (ALE). Nesta quinta (30), o relator da Comissão Especial, deputado Dr. Gomes entregou o parecer que pede o arquivamento do processo de impeachment. O presidente do Simeam, Mário Vianna, autor das denúncias aceitas pela Assembleia para instauração do processo de impeachment, sinalizou que entrará com ação no Superior Tribunal de Justiça (STJ) para que seja reformulada a comissão julgadora no qual seis deputados da base governistas, foram citados em possível esquema de “mensalinho” de 5% em bilhete encontrado na sede do governo pela Polícia Federal.

Já tínhamos avisado

Desde a formação da Comissão Especial, o ‘AMAZONAS DIÁRIO’ já havia adiantado que o voto do deputado Dr. Gomes seria pelo arquivamento do impeachment e que a deputada Alessandra Campelo, presidente da Comissão, seguirá o mesmo voto.

Senador da ‘Maus Caminhos’

O articulador político do governador, senador Omar Aziz, seria responsável por eleger a deputada Alessandra Campelo como presidente da Comissão Especial de Impeachment e o deputado Dr. Gomes, como relator. Nesta quinta, o Dr. Gomes apresentou seu parecer desfavorável à denúncia e solicitando o arquivamento do processo de impeachment.

Relator do governador

Apesar de reclamar da quantidade de páginas para ler, dos processos que envolvem o impeachment, como as denúncias e as defesas entregues pelos líderes do governo do Amazonas. Dr. Gomes, furou o rito do impeachment e a previsão dos demais colegas parlamentares (a votação estaria pré-agendada para próxima semana) e entregou o parecer em apenas seis dias após Wilson Lima entregar sua defesa com mais de 500 páginas. No rito, o relator tem até 10 dias para entregar o parecer e durante esse tempo é permitido realizar diligências para apurar as denúncias, tema que foi debatido em sessão e não realizado.

Deputados do 5%

Em 30 de junho, com a deflagração da ‘Operação Sangria’ da Polícia Federal, foi encontrada uma lista no gabinete do governador com suspeita de possível “mensalinho”. Escrita à mão com o valor de 5% ao lado, estavam o nome dos deputados, Joana Darc, Roberto Cidade, Carlinhos Bessa, Mayara Pinheiro, Therezinha Ruiz, Saullo Vianna, Abdala Fraxe e Belarmino Lins. Desses, seis fazem parte da Comissão Especial de Impeachment do governador e vice.

A esperança é o STJ

O presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), Mário Vianna, entrou com um pedido nessa semana para que deputados citados em suposto ‘mensalinho’ encontrado pela Polícia Federal no gabinete de Wilson Lima, fossem afastados do processo de impeachment. O pedido foi realizado pelo Simeam e pelo presidente do sindicato, Mário Vianna. Os dois foram negados pela presidente da Comissão Especial. Agora, um pedido ao STJ de intervenção na composição da comissão solicitando a exclusão de qualquer participação desses seis deputados poderá ser ingressado por Mário Vianna.