Trabalhadores passam fome e empresários esquecidos pelo Governo vão demitir 10 mil pais de família

Governo não dispõe de políticas públicas para dar suporte aos trabalhadores individuais que estão sofrendo com o desemprego

Manaus – Está cada dia mais claro que o governo do Amazonas não se preparou para a pandemia de Covid-19 e apesar de ter sido avisado por pesquisadores, também não se antecipou para a segunda onda da doença que já registra mais de nove mil mortes pelo vírus. Está claro também, que o governo não dispõe de políticas públicas para dar suporte aos trabalhadores individuais que estão sofrendo com o desemprego e muitos, até passando fome. Essa é a morte da cidadania. Nesta segunda-feira, 8, um grupo de empresários confirmaram demissões em massa de 10 mil trabalhadores por causa do prejuízo causado na categoria com os decretos de fechamento do comércio.

Arrecadação do Estado

Mesmo com a pandemia de Covid-19 afetando cruelmente todos os Estados brasileiros, o Amazonas apresentou arrecadação em setembro de 2020 de R$ 1,18 bilhão, em comparação com o mesmo período do ano passado, segundo dados da Sefaz. É um valor recorde que apresenta um acréscimo de 20,2% na receita tributária estadual. Em números reais, isto é, quando se desconta a inflação do período, o crescimento foi de 16,7%, consolidando a recuperação econômica após o período mais agudo da pandemia. Em números absolutos, são mais de R$ 200 milhões de reais a mais nos cofres públicos.

Políticas públicas

Os empreendedores amazonenses cobram uma atitude mais acertada do governador Wilson Lima que por conta dos altos números de casos novos de Covid-19, mantém o comércio fechado. Para eles, é necessário a criação de um auxílio pois muitos estão passando fome sem poder trabalhar, segundo uma fonte anônima do setor. “Depois da manifestação dos empreendedores e trabalhadores informais que ocorreu no centro de Manaus em 24 de dezembro, o governador disse que iria criar um auxílio através do Sebrae e Afeam. Eu liguei para lá e para receber precisa de uma positividade no crédito, quem é que tem hoje em meio a essa situação? Nenhum lojista conseguiu, ele jogou isso para a população só para dizer que estava ajudando”, desabafou.

Manifestação

Por causa da situação difícil que muitos microempreendedores estão enfrentando com a ausência da assistência do governo do Amazonas, uma nova manifestação está sendo articulada. “Não apareceu ninguém para nos ajudar e percebemos que estamos abandonados. Se continuar desse jeito, vai começar a acontecer saques. O cara tá com fome, tá com fome mesmo e não tem dinheiro. Estamos pedindo apoio e não aparece ninguém, vamos fazer uma manifestação que vai parar o centro de Manaus porque precisamos de uma resposta efetiva e não vai ser como foi a do ano passado, vai ser todo mundo”, disse.

Situação extrema

De acordo com a fonte, a situação das famílias está cada vez pior. “Fui na galeria e até energia eles cortaram do prédio. Eu estava por lá e os colegas me pediram uma ajuda e eu dei R$ 20 para comprar um frango, outro para um pacote arroz ou macarrão, mais um para cartela de ovos. Eles não tem comida e a cada dia, a cada semana perdemos mais um colega, não tem leito para tratamento nos hospitais, está tudo lotado, a saúde ainda está um caos, as famílias ainda estão passando fome e necessidade. Aonde vamos parar? Precisamos pelo menos de um auxílio financeiro para essas famílias que não tem mais comida em casa, porque apesar de pouco, R$ 300 dá para comprar um rancho”, relatou.

Anúncio