Wilson Lima dá calote em policiais e paga R$ 2 milhões em aluguel de aviões

Enquanto isso, os policiais militares estão sem o pagamento de suas promoções e foram informados que isso só vai ocorrer ano que vem

Manaus – A farra com o dinheiro público continua mesmo com diversas denúncias, o governo do Amazonas continua a gastar recursos públicos da população amazonense com contratos para fretamento de aeronaves. Em um único dia, na última sexta-feira (26), o Estado publicou mais de R$ 2 milhões com despesas para pagamento de contratos com a empresa Rico Taxi Aéreo. Enquanto isso, os policiais militares estão sem o pagamento de suas promoções e foram informados que isso só vai ocorrer ano que vem.

Taxi aéreo

No dia 26 de março, foi publicado no Diário Oficial do Estado do Amazonas (DOE-AM) três ordens de liquidação de valor devido, relativo a pagamento de reconhecimento de dívida em processo indenizatório pelo fretamento de Aeronave tipo Brasília, no mês de dezembro de 2020 em razão de ações de segurança e transporte de servidores.

R$ 2 milhões

Foram três ordens de pagamentos publicadas, duas referente ao mês de dezembro de 2020, sendo uma de 18 horas de voo no valor de R$ 224,4 mil e outra de 9 horas de voo no valor de R$ 60,2 mil. A terceira ordem de pagamento é referente ao mês de fevereiro deste ano de 144 horas de voo no valor de R$ 1,7 milhões. Ao todo, os pagamentos somam mais de R$ 2 milhões.

Segurança pública

Na semana passada esta coluna denunciou que os policiais militares (PMs) que tinham recebido progressão na carreira ou seja promoção, continuam sem receber o valor nos seus contra-cheques. Após reunião na Secretaria de Estado da Administração (Sead), com a secretária Inês Carolina Simonett, os mais de 1.300 policiais foram informados que o governador Wilson Lima decidiu reeditar o decreto do dia 16 de fevereiro, que concedia as promoções, sendo assim, os PMs continuam com as devidas promoções, mas o benefício no contracheque será somente para o próximo ano.

Estelionato

A reunião foi acompanhada pelo deputado estadual Wilker Barreto (Podemos) que repudiou a decisão do governador. “Viemos cobrar providências sobre os decretos das promoções, e para nossa surpresa o decreto vai ser reeditado com o pagamento somente para o ano que vem. O que fizeram com os oficiais Policiais Militares foi um verdadeiro estelionato”, disse Wilker que solicitou da secretaria uma reunião com a cúpula da PM em busca de encontrar soluções.

Apenas no papel

As promoções foram anunciadas no mês de dezembro para toda a imprensa com o objetivo de ‘cumprir’ suas promessas. No dia 4 de fevereiro, o governador Wilson Lima fez o anúncio, promovendo os 1.314 policiais militares. Alguns desses profissionais estão há mais de 30 anos na corporação e lamentam a decisão do governador. “É um sentimento de tristeza. Não fomos nem avisados pelo comando da PM. Oficialmente recebemos a notícia que as nossas promoções vão ser pagas só a partir de 2022. Fomos promovidos, e não recebemos. Eu perdi de 30% a 40% do meu salário, porque não ganho mais as gratificações. É o caso de até pensar em retornar”, explicou o major Araújo Maia.

Anúncio