Wilson Lima pede expulsão de coronel que denunciou sucateamento de viaturas, falta de armamento e munição para PM

Tenente-coronel Ubirajara Rosses teme pela sua carreira de 28 anos. Ele diz ser punido com processo administrativo que deve resultar na expulsão da corporação

Manaus – Por causa de denúncias feitas contra o governo do Amazonas, o tenente-coronel da Polícia Militar, Ubirajara Rosses, teme pela sua carreira de 28 anos. Como forma de ‘punição’ entraram com processo administrativo para resultar a expulsão do tenente da corporação. Em vídeo divulgado nas redes sociais, Rosses questiona: E agora, será a hora de me calar?

Perseguição com quem denuncia o governo

Não é espanto receber notícias onde órgãos, secretários, representes, funcionários e a população são ‘perseguidos’ por expor a verdade. Durante a pandemia de Covid-19 no Amazonas, o que mais acompanhamos era profissionais com medo de perderem seus empregos por buscar ‘ajuda’, mas, o medo de ficar doente era maior e por isso, revelavam no anonimato, o que estava acontecendo nas unidades de saúde com falta de equipamento de proteção, respiradores, equipe médica, entre outros problemas. O programa ‘Amazonas Diário’, do Grupo Diário de Comunicação é perseguido diariamente.

Expulsão da corporação

O tenente-coronel Ubirajara Rosses vem expondo situações controversas da Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM) como a operação no Rio Abacaxi que resultou na morte de policiais, a situação precárias das viaturas e falta de armamento e munições para a corporação. “Fui surpreendido com mensagem de amigos policiais militares me informando que eu havia sido submetido a um processo de expulsão da corporação, sendo submetido ao conselho de justificação”.

Corregedoria Geral do Amazonas

No documento da Corregedoria diz que ‘instaura Conselho de Justificação com o objetivo de julgar se o oficial da PM reúne condições de permanecer nas fileiras da corporação’. Segundo Rosses, essa ação é fruto de perseguição por denunciar na imprensa, a falta de liderança da SSP, do Comando da PM e falta de estrutura. O documento diz ‘indícios de cometimento de crime de natureza militar e transgressão de disciplina. Em princípio, TC PM Ubirajara Rosses, teria se manifestado por meio de publicações com críticas indevidas contra o Exmº Sr. Governador do Estado do Amazonas”, diz o documento.

Irmãos de farda

Segundo o tenente-coronel, as notícias de denúncias e operações contra o governo do Amazonas estavam estampadas em todos os jornais. “Eu me rebelei para proteger meus irmãos de farda e a população. Denunciei a situação publicamente aos jornais, redes sociais; afinal, os tempos mudaram, o governo pode comprar o silêncio da imprensa mas não conseguem calar a voz democrática das redes sociais. O governador contra atacou, tentando tirar minha liberdade, destruindo minha imagem e reputação”, disse no vídeo.

Calcanhar de Aquiles

Nos bastidores, é notório o desconforto que as revelações do tenente-coronel Ubirajara Rosses causa no governo do Amazonas. Como uma forma de contra-ataque, foi pedido a expulsão do mesmo da Polícia Militar. “O que você faria se estivesse na eminência de perder o sustento da sua família? Eu sei me defender. Mas, agora, eles estão atacando o sustento de quem eu tanto amo que é a minha família. Não sei o que fazer, a pressão está muito grande é a minha família, honra e tudo que construí nesses 28 anos de carreira na Polícia Militar que estão sendo jogados na lama”, revelou.

Anúncio