Wilson Lima persegue médico que pede intervenção federal e denuncia descaso na saúde

Médico Mário Vianna, presidente do Simeam, falou sobre a perseguição que vem sofrendo do governador desde que ingressou com pedido de impeachment

Manaus – Em entrevista exclusiva ao programa Amazonas Diário do Grupo Diário de Comunicação (GDC), o médico Mário Vianna, presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), falou sobre a perseguição que vem sofrendo do governo de Wilson Lima desde que ingressou com pedido de impeachment do governador na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), em abril do ano passado, denunciando a má gestão da saúde pública durante a pandemia do novo coronavírus. O médico falou sobre o colapso na saúde pública e pediu intervenção federal no Amazonas.

Investigação de mortes

Segundo o médico Mário Vianna, presidente do Sindicato dos Médicos do Amazonas (Simeam), muitas mortes durante a pandemia de Covid-19 podem ser de responsabilidade do governo do Amazonas pelo grande número de erros. “O governo do Wilson Lima, comete tantos erros que, possivelmente, se fizessem uma investigação mais aprofundada, um inquérito sanitário de alguns óbitos, vai ter com certeza uma ligação direta com essa gestão equivocada, ruim na saúde do estado do Amazonas”, disse Mário Vianna.

Morrendo na rua

A realidade esmagadora da segunda onda, já é vista novamente nos hospitais que estão superlotados. Um vídeo chocante foi divulgado nesta quarta-feira, 6, e mostra um homem agonizando de dor em frente ao Hospital e Pronto-Socorro Platão Araújo, segundo o relato da pessoa que filmou, o homem está com Covid-19, muita febre, dor no corpo e tosse seca. Sem conseguir atendimento e após andar pelos arredores, não aguentou e caiu na frente do hospital. “Já chamamos a ambulância e até agora nada, parece que agora é normal cair no meio da rua e morrer com esse vírus”, disse.

Colapso na saúde

Segundo o Dr. Mário Vianna, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) não consegue mais atender a demanda. “Eles não tem mais condições de sair para atender os chamados de pacientes graves, porque sabem que não podem colocar dentro da ambulância e levar para uma unidade da saúde, senão paralisa totalmente os outros atendimentos. Então, o próprio Samu está orientando que as pessoas vão direto para a unidade de saúde. Tudo o que aconteceu na primeira onda, está acontecendo agora, mais bem pior”, relatou.

Intervenção Federal

Como uma maneira de salvar vidas amazonenses, o médico pede por intervenção federal na saúde. “Estamos em situação de guerra, caos e calamidade no Amazonas, pessoas vão morrer. Se não conseguem atender um cidadão que está caído na frente do hospital, é porque não tem onde colocar. Está crítico. Não vejo outra alternativa, as forças armadas tem que intervir junto à saúde pública e o governador Wilson Lima assumir que ele e sua equipe da Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) não tem condição de administrar como vêm mostrando e pedir intervenção do governo federal”, enfatizou.

Anúncio