Wilson Lima vai gastar R$ 2 milhões para tentar melhorar sua imagem

O mega contrato foi realizado pela Secretaria de Estado de Comunicação Social (Secom) que já dispõe de diversos profissionais que ficam à disposição do governador Wilson Lima

Manaus – Na busca desenfreada em melhorar a imagem e reconquistar os eleitores amazonenses, o governo do Amazonas firma contrato de quase R$ 2 milhões com produtora para construção de conteúdo institucional. O mega contrato foi realizado pela Secretaria de Estado de Comunicação Social (Secom) que já dispõe de diversos profissionais que ficam à disposição do governador Wilson Lima. Os serviços contratados são diversos como fotógrafo, editor de imagem, equipe de jornalistas e repórter, além de locação de equipamentos. Será que toda essa estrutura consegue limpar a imagem do governador que está sendo acusado pela Procuradoria-Geral da República pela compra superfatura de ventiladores pulmonares?

Publicidade

Segundo documento obtido no Portal da Transparência do Amazonas, a Nota de Execução da Despesa, emitida no dia 16 de abril deste ano, no valor superior a R$ 1,9 milhões, é referente ao contrato firmado por meio de Pregão Eletrônico entre a Secretaria de Estado de Comunicação Social (Secom) e a empresa 1001 Filmes Produções e Eventos Ltda. Na descrição, consta que a empresa prestará serviços especializados para o fornecimento e implantação do programa de construção de conteúdo institucional.

Governo

Segundo a nota, o contrato entre o governo do Amazonas e a produtora é pelo prazo de 12 meses, e por mês a 1001 Filmes Produções vai receber quase R$ 500 mil para serviços de locação de equipamentos, manutenção, arquivologia, equipe de jornalistas e repórter, fotógrafos e videomaker.

Loja de vinhos

Esta coluna alertou nos últimos meses que as investigações da Polícia Federal que conduz a Operação Sangria, estavam a todo vapor. Segundo a denúncia contra o governador Wilson Lima e mais 17 pessoas, realizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ao Superior Tribunal de Justiça, Wilson Lima tinha evidência influência na aquisição dos ventiladores pulmonares superfaturados em uma loja de vinhos.