Wilson não compra vacina contra a Covid, mas aluga contêiner para colocar os cadáveres

A locação do contêiner para armazenar os cadáveres é para permanecer diariamente no Hospital de Campanha Nilton Lins

O Governo do Amazonas se prepara para a possível terceira onda da Covid-19 renovando o contrato para a locação de contêiner para armazenamento de cadáveres. Ao invés disso, poderia estar comprando materiais necessários para os hospitais, equipamentos de proteção individual para os profissionais ou as vacinas contra o vírus para imunizar mais rapidamente a população amazonense. Na Assembleia Legislativa do Estado (ALE), onde os parlamentares deveriam zelar pelos interesses do povo, só existe silêncio e o pedido de impeachment do governador do Amazonas continua guardado a sete chaves.

Contêiner

No Portal da Transparência do Amazonas, esta coluna localizou uma Nota de Execução de Despesa do dia 29 de abril no valor de R$ 62,1 mil entre a Secretaria de Estado de Saúde (SES-AM) e a Space Serviços de Alvenaria e Locações Eireli. Segundo consta, a nota é referente ao primeiro termo aditivo do Contrato nº 04/2021 por meio de dispensa de licitação “para serviços de locação de contêiner frigorífico para armazenamento de cadáveres”. O novo termo é válido por mais 90 dias.

Hospital de Campanha

A locação do contêiner para armazenar os cadáveres é para permanecer diariamente no Hospital de Campanha Nilton Lins. Segundo documentos, o contrato assinado pelo secretário Marcellus Campêlo da SES-AM para o aluguel, iniciou em 30 de janeiro pelo prazo de 90 dias, sendo renovado nesta quinta-feira (29), passando a valer a partir desta sexta-feira (30). Por dia, o Governo do Amazonas paga R$ 690 para o contêiner ficar na unidade de saúde que foi reaberta no início do ano. Mensalmente, o Estado gasta cerca de R$ 20 mil com este contrato.

Despreparo

Ao invés do governador Wilson Lima comprar vacinas contra a Covid-19 para imunizar ao menos 60% da população amazonense ou mais equipamentos para as unidades de saúde que são grandes focos de reclamações, o Estado aluga contêiner frigorífico para armazenar os mortos. Lamentável.

Assembleia

Em meio ao despreparo, a atual gestão é acusada e investigada pelo superfaturamento de respiradores pulmonares, organização criminosa, peculato, entre outros. Mas, os deputados estaduais da Assembleia Legislativa do Estado, permanecem em silêncio diante dos inúmeros pedidos de impeachment contra o governador Wilson Lima que já chegam a 15. O que está acontecendo com a vontade do povo? Eles não merecem uma resposta?

CPI da Pandemia

Na última sessão plenária da ALE, os deputados Wilker Barreto e Dermilson Chagas, reclamaram da omissão dos colegas parlamentares às denúncias contra Wilson Lima. “Somos cúmplices de um governo que está matando pessoas, roubando e ficando rico”, disse Barreto. As irregularidades cometidas pelo governo relatadas na CPI da Saúde, CPI da Covid-19 no Senado, com a crise do oxigênio ou na Operação Sangria, ainda não foram suficientes para a análise dos pedidos de impeachment. Os deputados tentam há cerca de 45 dias, conseguir as assinaturas necessárias para que a CPI da Pandemia seja instaurada. Porque os deputados não assinam? Eles não querem que a investigação seja aberta?

*Apresentador do programa AMAZONAS DIÁRIO

Anúncio