Feiras de qualidade

São nas feiras que a maioria dos moradores de cada região vai às compras para abastecer a geladeira e fazer a mesa da família no dia a dia

Manaus – Cresci frequentando mercados e feiras. Funcionário público, meu pai administrou o Mercado Carneiro da Motta, do Morro da Liberdade e também o mercado do bairro Praça 14 e a feira do bairro São Francisco. Naquela época, eu vi como se dedicava à função e fazia um bom trabalho. E, como na música que diz que todo dia é dia de feira, por aqui eu vou falar um pouco delas.

São nas feiras que a maioria dos moradores de cada região vai às compras para abastecer a geladeira e fazer a mesa da família no dia a dia. São nas bancas de variedades, frutas, verduras, carnes, peixes e frios que o consumidor busca qualidade de vida.

Mas, para que essa qualidade seja garantida, se faz necessária uma participação mais efetiva dos setores públicos responsáveis pelo segmento. O trabalho que começa na produção e no abastecimento deve seguir com mais atenção na organização das feiras.

Gestão é a palavra, pois, sem a devida política pública voltada para o segmento, os riscos da queda na qualidade do serviço é praticamente o efeito natural. A feira precisa, em primeiro lugar, de apresentação e conservação, afinal de contas, ela é uma das maiores representações da comunidade, como é o campo de futebol e os demais equipamentos públicos.

As feiras regionais volantes, que existem em Manaus e movimentam até mesmo shoppings da cidade, são como um todo, modelo de organização que serve de exemplo. Nelas, há o apoio do poder público, seguida da participação efetiva dos produtores e permissionários, com a finalidade de oferecer bons produtos, atender bem e o melhor, vender mais.

*Deputado estadual da 15ª a 17ª legislatura, governador do Amazonas em 2017 e presidente estadual do partido Avante no Amazonas

Anúncio