Justiça contra mentiras

As mentiras que construíram sobre a minha índole na eleição suplementar de 2017 – quando nem candidato eu fui -, se tornaram ainda mais violentas na eleição de 2018

Manaus – A Justiça Eleitoral amazonense fez a mais cristalina justiça em relação a todos os meus atos como governador do nosso Estado, em 2017. Na semana passada, por cinco votos a um, o Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) derrubou três processos eleitorais que traziam consigo uma série de mentiras e maldades, daquelas que são construídas pela velha política em ano eleitoral, armada dos mais modernos canais de informação.

O mundo conectado de hoje, com mecanismos de inteligência artificial cada vez mais avançados, que diante de termos quase indecifráveis prevêem o nosso comportamento diariamente, ainda não conseguiu se livrar, de uma forma mais assertiva, daquilo de pior que nasceu nas suas redes e se espalhou de forma epidêmica no mundo das notícias do ambiente virtual: as fake news.

As mentiras que construíram sobre a minha índole na eleição suplementar de 2017 – quando nem candidato eu fui -, se tornaram ainda mais violentas na eleição de 2018, quando eu coloquei meu nome a disposição do Amazonas. Nesse período, eu saí sem processo eleitoral e com as contas aprovadas. Mas, em um cenário de nomes tradicionais e desconhecidos, a indústria das fake news mostrou as suas garras e fez muitas vítimas, inclusive o nosso próprio povo.

Apesar de tudo que ocorreu naquele ano de 2018, com a decisão da Corte Eleitoral do Amazonas sobre os meus atos, tomada neste ano, eu digo agora que em mim sobra muita fé e confiança que o mal das fake news será controlado. Não apenas pelo bem da construção do nosso Amazonas e do Brasil, mas especialmente pelas pessoas que depende do lado bom da política.

*Deputado estadual da 15ª a 17ª legislatura, governador do Amazonas em 2017 e presidente estadual do partido Avante no Amazonas

Anúncio