Saudade é o amor que fica

Nesta segunda-feira (17), se aqui estivesse, Lúcia completaria 42 anos. Mas quis Deus que ela partisse

Manaus – Certa manhã, como sempre faço, fui caminhar antes de ir à igreja. Fazia isso toda as semanas com a minha esposa, Lúcia. Sempre no intervalo dessas nossas caminhadas, parávamos para tomar uma água de coco e, assim, refrescar a vida. Sempre fazíamos juntos, mas, dessa vez, eu parei sozinho na banca da dona Izabel – uma senhora simples, do bem, que se pôs ao meu lado a conversar e só reforçou em mim uma premissa.

Dona Izabel me cumprimentou, sentou ao meu lado e começou a falar da Lúcia, a minha bonequinha de pano. Inesperadamente, ela se emocionou e começou a chorar na minha frente. Daí, passou a me contar um pouco sobre a sua relação com a Lúcia e relatou que, dia desses, teve uma boa lembrança da amiga e começou a lagrimar na sua casa.

Vendo aquele choro, o seu neto perguntou: “Vó, por que a senhora está chorando?”. De pronto ela respondeu: “Estou chorando por uma pessoa que vale a pena, uma mulher que conheci e que parecia um anjo em forma de pessoa”. A resposta de dona Izabel ao neto foi a representação daquilo que sinto diariamente, desde a partida da Lúcia, naquele fatídico início de dezembro de 2019.

Nesta segunda-feira (17), se aqui estivesse, Lúcia completaria 42 anos. Mas quis Deus que ela partisse. Ainda assim, o que ela semeou na minha vida, na da sua família e na de milhares de outras pessoas como a dona Izabel, floresce diariamente nas nossas memórias e nos nossos corações.

Lúcia era um ser humano de alma leve, sorriso fácil. Uma mulher que sempre amou o próximo como diz a palavra do Senhor. Sem sombra de dúvidas, ela deixou um gigantesco vazio nas nossas vidas. E o que nos resta repetir é que a saudade que sinto por ela é o amor que permanece vivo dentro de mim.

Te amo, meu amor!

*Deputado estadual da 15ª a 17ª legislatura, governador do Amazonas em 2017 e presidente estadual do partido Avante no Amazonas

Anúncio