Aumento de preço e custo de vida

Tem muita gente desempregada. São 12 milhões sem salário. Mais de 40 milhões na informalidade, sem carteira assinada, sem renda certa

Manaus – Todos os dias temos notícias de aumento de preço. É o combustível, a carne, o gás de cozinha, a energia e tudo mais. Aumento do custo de vida. O salário não aumenta, mas os gastos mensal sim.

Tem muita gente desempregada. São 12 milhões no governo Bolsonaro sem salário. Mais de 40 milhões na informalidade, sem carteira assinada, sem renda certa. E as despesas estão na porta. No início do ano, começa também o IPTU e as compras de material escolar.

Em Manaus, as empresas do transporte querem aumentar a tarifa de ônibus. Mesmo não colocando veículos novos e prestando um péssimo serviço. A gasolina não para de aumentar. Em 2010, com o Lula, estava em R$ 2,60, com a Dilma, em 2014, estava em R$ 3,03. Mas com o Temer foi para R$ 4,09, em 2017, e R$ 4,37, em 2018. Com Bolsonaro disparou para R$ 4,53. Em alguns postos quase R$ 5. Um aumento absurdo. Apesar do Brasil ter petróleo suficiente, o atual governo mantém a política de importar combustíveis de outros países, pagando caro.

O gás de cozinha de 13kg estava a R$ 38,30, em 2010, com o Lula. Com o Temer, em 2017, disparou para R$ 66,53 e hoje com Bolsonaro tem lugares que cobram até R$ 80. Aumento de mais de 100%.

A carne de primeira, que em 2010 custava em média R$ 14,03, hoje está em torno de R$ 28,22. No Amazonas não tem grande produção de gado, a maior parte da carne vem de outros estados. Teve aumento também do preço do frango, do suíno e até do peixe.

Muitos produtos, inclusive alimentos, são importados. A disparada do dólar torna esses produtos mais caros. Em dezembro de 2014 com a Dilma, o dólar estava em R$ 2,64. Em 2018, chegou a R$ 3,88 e agora com Bolsonaro está em média R$ 4,1 e algumas cotações até mais elevadas.

O resultado de tudo isso é que o povo ficou mais pobre. E a situação tende a piorar em 2020, pois o governo não tem projeto para gerar emprego e melhorar a economia. O povo terá que se virar como pode.

*Deputado federal (PT) e economista

Anúncio