Violência contra a mulher

Em nosso País, a cada quatro minutos uma mulher é vítima de agressão provocada, em sua maioria, por aqueles que mais deveriam respeitá-la: maridos, pais ou outros familiares próximos

Manaus – O Brasil é um País violento. Enquanto as tradições de outros povos, como os japoneses por exemplo, pregam a tolerância e o respeito como solução às dificuldades da vida, em nosso País ainda impera a violência como meio de resolução dos conflitos diários.

Nessa queda de braço, os mais vulneráveis são os mais atingidos, entre eles idosos, crianças e, fatidicamente, mulheres. Em nosso País, a cada quatro minutos uma mulher é vítima de agressão provocada, em sua maioria, por aqueles que mais deveriam respeitá-la: maridos, pais ou outros familiares próximos.

Uma covardia, pois nenhuma justificativa é aceitável para que se agrida uma mulher, e mesmo com o endurecimento das penas aos seus agressores, a violência não diminui. Parece-me que nem o temor da cadeia está sendo capaz de exterminar esse mal. O que fazer então? Acredito que além da repressão penal outras medidas precisam ser adotadas, a curto, médio e longo prazo.

Em curto prazo creio que os valentões devem não apenas responder por processo criminal, como também sentir no bolso o prejuízo de seus atos, com condenações financeiras de ressarcimento pelos danos causados. Em médio tempo, que os governos federal e estadual possam implementar políticas que, de um lado, premiem os jovens que atuam contra a violência, e de outro, eduquem a juventude ensinando as severas punições que a lei aplica à violência, pois muitos desconhecem o quanto podem ser afetados caso sejam autores de crimes dessa natureza.

Em longo prazo, o trabalho precisa ser feito com nossas crianças, inclusive em disciplinas específicas com o objetivo de educar as próximas gerações sobre a importância de se respeitar os mais vulneráveis, resgatar os valores cívicos e cultivar o respeito como regra e virtude. Aprendi desde cedo, que nenhuma força física pode mudar nossas escolhas íntimas, sendo homens ou mulheres. O poeta dizia que “gentileza gera gentileza”. O tempo passou e parece que muitos esqueceram disso. É hora de reencontrar nossos valores perdidos.

*Deputado federal (PSL) e delegado de Polícia Federal

Anúncio